Opinião

Crescimento contra o ressentimento

O país está estagnado há 20 anos. Estar há 20 anos estagnado ajudou a fomentar uma visão da sociedade perigosa.

Mais umas eleições, mais uma derrota dos liberais. É verdade que desta vez fomos um pouco menos derrotados (sempre conseguimos eleger um), mas a visão de uma sociedade centrada nas liberdades individuais e não no poder do Estado voltou a ser derrotada. Mais derrotados saímos por as eleições terem sido vencidas pelo Partido Socialista que, apesar de ser socialista e governar o país quase ininterruptamente há 24 anos, tem que gerir um país onde todos os males derivam do “neoliberalismo”, segundo afamados comentadores e reconhecidos académicos.

O país está estagnado há 20 anos. Estar há 20 anos estagnado ajudou a fomentar uma visão da sociedade perigosa. Quando um país cresce, quando o bolo da economia aumenta, as pessoas sentem vontade de trabalhar, investir e cooperar para poderem beneficiar desse crescimento. O sucesso dos outros não incomoda porque todos sentem que podem beneficiar do crescimento. O sucesso de uns cria condições para o sucesso dos outros. Quando um país não cresce, quando o bolo fica do mesmo tamanho durante muito tempo, as pessoas começam a sentir que para uns terem mais, outros têm que ter menos. Se o bolo não cresce, as pessoas começam a desenvolver o sentimento oposto ao da cooperação: a inveja. Em vez de cooperar para o crescimento, o foco passa a ser encontrar alguém para culpar por a sua parte do bolo ter diminuído. Os mais pobres culpam os mais ricos. As minorias culpam a discriminação da maioria. Entre os mais desafortunados na maioria culpa-se as minorias por roubarem oportunidades. Instala-se a política do ressentimento, do foco nas lutas pela redistribuição em vez da produção, abrindo a porta a mais socialismo e identitarismo. O socialismo cria a miséria que depois alimenta ainda mais socialismo num ciclo vicioso difícil de romper. A cultura do mérito é ultrapassada pela cultura da inveja. O foco no crescimento é substituído pelo foco no ressentimento.

Os socialistas nunca esconderam a sua aposta política no ressentimento. A luta de classes é mesmo isso: a aposta no ressentimento de uma classe contra outra. Ao longo das décadas a estratégia foi-se aprimorando, às classes acrescentaram-se mais e mais subgrupos (baseados em raças, etnias, sexo, orientação sexual, situação profissional...) com um qualquer motivo para se sentirem ressentidos em relação à “maioria”. No final, quase todos se conseguem encaixar numa qualquer “minoria” real ou artificial e ter razões de queixa em relação à “maioria”. Quando quase todos sentem que todos os outros lhes devem alguma coisa, torna-se fácil para o Estado socialista se oferecer como instrumento de redistribuição, aumentando ainda mais o seu poder. Isto impede o crescimento, alimentando ainda mais o ressentimento, reforçando o ciclo da miséria.

Vinte anos de estagnação tornaram o país susceptível à política de ressentimento. Ao mesmo tempo que a Iniciativa Liberal, entraram no Parlamento dois partidos que apostaram no ressentimento como arma eleitoral: num caso, o ressentimento de algumas minorias em relação à maioria e, no outro caso, o ressentimento de elementos da maioria (os mais zangados e desafortunados) em relação a algumas minorias. Nos próximos anos é provável que as duas forças identitárias se alimentem uma à outra, que as demonstrações de ressentimento de uns alimentem o ressentimento dos outros. Mas a política do ressentimento pouco fará para resolver os problemas do país. Culpar os outros pela sua miséria pode aliviar temporariamente o sofrimento, mas pouco fará para acabar com ele.

A alternativa à política do ressentimento é a política do crescimento. A aposta na valorização do trabalho, do mérito, do risco e da iniciativa privada. Poderá não apelar tanto à emoção, não criar bons slogans e palavras de ordem. Pode até não vir a resultar em mais votos e lugares no Parlamento, mas é a única alternativa efetivamente capaz de retirar pessoas da pobreza. É este o caminho da Iniciativa Liberal. Não contem connosco para outro.

O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico