PSD-Açores à espera de José Manuel Bolieiro

Autarca de Ponta Delgada e vice-presidente de Rui Rio, é o nome que reúne mais consensos no interior de um partido, que não ganha eleições nos Açores desde 1996.

,O clube
Foto
José Manuel Bolieiro EDUARDO COSTA

Desde Dezembro de 1995, quando João Bosco Mota Amaral deixou a liderança do PSD-Açores  para ocupar o lugar de deputado na Assembleia da República, que os sociais-democratas açorianos têm sido uma máquina de trucidar lideranças.

O sucessor de Mota Amaral, que deixou o partido no Governo antes de rumar a São Bento, foi Álvaro Dâmaso. Aguentou um ano no cargo. Carlos Costa Neves manteve-se por um biénio. Manuel Arruda foi embora um ano depois de ter chegado. Vítor Cruz esteve lá cinco, entre 2000 e 2005, antes de Costa Neves regressar para mais quatro anos. Seguiu-se Berta Cabral (2008-2012) e Duarte Freitas, um recordista na longevidade. Agarrou no partido em 2012, após nova maioria absoluta do PS açoriano, a primeira com Vasco Cordeiro, e manteve-se até 2016.

Alexandre Gaudêncio chegou em Setembro de 2018 e demitiu-se na semana passada. O autarca da Ribeira Grande, em São Miguel, câmara que conquistou em 2013 com maioria absoluta, repetindo-a quatro ano depois, não teve vida fácil. Primeiro, incompatibilizou-se com a direcção nacional do partido, depois de Rui Rio recusar colocar Mota Amaral num lugar elegível na lista para o Parlamento Europeu. Depois, viu a Polícia Judiciária entrar pelos paços do concelho, numa investigação a suspeitas de crimes de peculato, prevaricação, abuso de poder e falsificação de documentos.

De “consciência tranquila” mas fragilizado pela investigação policial, Gaudêncio pediu eleições antecipadas por entender que o partido precisa de uma “clarificação interna”. Só assim, defendeu na hora da saída, será capaz de apresentar um projecto político alternativo ao PS, que governa o arquipélago ininterruptamente desde 1996.

Nas semanas que antecederam o conselho regional deste fim-de-semana, o autarca da Ribeira Grande foi alimentando o tabu sobre uma eventual recandidatura, mas no sábado, quando os conselheiros regionais do PSD se reuniram na ilha Terceira, ficou claro que o futuro imediato do partido não passa por ele.

Passa sim por dois nomes: José Manuel Bolieiro e Pedro Nascimento Cabral. O primeiro, que lidera desde 2013 a Câmara Municipal de Ponta Delgada, é um dos vice-presidentes de Rui Rio e é quem reúne mais consenso.

Deputado com uma larga experiência parlamentar, tem no currículo duas importantes vitórias (2013 contra José Contente e 2017 frente a Vítor Fraga, ambos socialistas) numa das autarquias mais representativas da região autónoma. Ao contrário de Nascimento Cabral, que enfrentou Gaudêncio nas internas do ano passado, tem-se mantido acima das várias sensibilidades do PSD açoriano. Uma vantagem num partido que procura reconstruir-se, mais uma vez, depois de um ciclo eleitoral em que o PS voltou a ser dominante.

Não é por isso de estranhar que, na segunda-feira após o conselho regional, duas comissões políticas locais (ilha Graciosa e ilha das Flores) tenham manifestado apoio a Bolieiro. “A candidatura de José Manuel Bolieiro será recebida por esta comissão política de ilha com confiança na sua capacidade de unir e liderar o PSD-Açores”, resume uma nota do PSD das Flores, enviada à agência Lusa. Na Graciosa, existe também “vontade” em “desafiar” Bolieiro, para “encabeçar com a confiança e determinação que lhe é reconhecida um projecto ganhador que a maioria dos açorianos ambiciona para 2020”.

Logo no sábado, no final do encontro de sociais-democratas açorianos, Bolieiro foi questionado pelos jornalistas sobre a disponibilidade para encabeçar um projecto de liderança, mas optou por não clarificar. “A seu tempo”, respondeu, remetendo a decisão para os próximos dias.

As eleições internas foram marcadas para 14 de Dezembro, com o congresso regional a ser agendado para os dias 17, 18 e 19 de Janeiro.