“Enganada.” Contra novo nome, Rosa Mota faltou à inauguração do “seu” pavilhão

Atleta escreveu uma carta à autarquia em que dá nota do seu descontentamento. Por isso, não foi à cerimónia de reabertura do Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota. Presidente da República e vereadores da oposição também não marcaram presença. Moreira diz que o vinho do Porto também está associado à cidade.

Foto
Pavilhão reabriu esta segunda-feira Paulo Pimenta

Rosa Mota, que durante anos, deu nome ao Palácio de Cristal, no Porto, não foi mesmo à reabertura do pavilhão como forma de protesto pelo facto de o seu nome ter sido associado à marca patrocinadora das obras no espaço. O pavilhão reabriu esta segunda-feira com o nome Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota. Ora, a atleta diz sentir-se “enganada”, uma vez que esta não era a designação que tinha sido inicialmente acordada, considerando que está a ser dado destaque a uma marca de cervejas em detrimento do seu nome. Os vereadores da oposição também não marcaram presença na cerimónia. 

Marcelo Rebelo de Sousa, que teve a sua presença prevista até sexta-feira, também não compareceu, confirmou o PÚBLICO. A justificação oficial é a de que o Presidente da República tem exames médicos para fazer. A 8 de Outubro, Rosa Mota esteve na Presidência para participar na iniciativa “Desportistas em Belém”, patrocinada pelo Chefe de Estado. Foi a primeira convidada do programa. Na altura, a renomeação do pavilhão já era um assunto, mas nem Marcelo nem a maratonista falaram sobre ele à frente das câmaras.

Na inauguração do novo espaço, Rui Moreira, Presidente da Câmara do Porto, disse ter “pena” que Rosa Mota não estivesse presente, mas pediu que não haja “complexos pelo nome ter associada uma marca de bebida alcoólica porque antes de aparecer essa marca já o Porto era conhecido pelo seu vinho do Porto.

PÚBLICO -
Nelson Garrido
PÚBLICO -
Nelson Garrido
PÚBLICO -
Nelson Garrido
PÚBLICO -
Nelson Garrido
PÚBLICO -
Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Numa carta que enviou agora à Câmara do Porto, citada pela TSF, Rosa Mota diz que quando recebeu o convite “do senhor presidente da Câmara para a reabertura do Pavilhão, e no qual está escrito ‘Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota'” se sentiu “definitiva e claramente enganada”, uma vez que estava convencida de que o nome do espaço seria “Pavilhão Rosa Mota - Super Bock Arena”.

“Comunico a todos os vereadores, em primeira mão, que não dou a minha anuência a algo que parece estar definitivamente estabelecido e que não foi o que foi acordado”, escreveu a atleta na carta. Contactada pelo PÚBLICO, fonte próxima de Rosa Mota escusou-se a comentar o assunto, remetendo para a carta enviada à vereação.

A polémica foi tema na reunião do executivo desta segunda, já depois de a autarquia ter enviado um comunicado em que garante que o nome da maratonista, campeã olímpica em atletismo em 1988, “vai ficar não apenas na designação formal e comercial como ficará, pela primeira vez, inscrito sobre a entrada principal do pavilhão e também em vários locais do seu interior” — o que até agora não existia. Rosa Mota está associada ao pavilhão desde 1988, depois de o executivo liderado pelo então autarca Fernando Cabral ter decidido homenagear a atleta pela conquista e atribuir o seu nome ao pavilhão. 

Na reunião desta manhã, o presidente da câmara, Rui Moreira, sublinhou que a autarquia encontrou “um pavilhão que seguramente há 20 anos estava em ruínas (...) onde não constava o nome da atleta”. “Havia um projecto que não tinha sido exequível e entendemos preparar um concurso público internacional”, recordou Rui Moreira, acrescentando que no “caderno de encargos, uma das possibilidades era haver uma mudança de nome”. Mas ainda assim, sublinhou, a primeira proposta de naming, onde desaparecia o nome de Rosa Mota, foi “recusada”. 

Até à passada quinta-feira, Rui Moreira diz não ter recebido nenhuma reclamação por parte da atleta. Nesse dia reuniu-se com ela na autarquia e Rosa Mota terá dito que não gostava do logótipo. A questão é, para o presidente da câmara, o logótipo. “O nome Rosa Mota não estava lá e neste momento está. Gostaria muito mais que a Rosa Mota estivesse mais satisfeita. Peço desculpa mas não fui convocado para as reuniões a que ela foi com o Super Bock”, disse o autarca.

Na carta à qual o PÚBLICO entretanto acedeu, Rosa Mota conta que, no início de Março de 2018, teve uma reunião com o Círculo de Cristal — consórcio responsável pelo projecto — e um administrador do Super Bock Group. Nessa altura, o consórcio informou-a, “com toda a naturalidade”, que tinham decidido que o seu nome “sairia da designação do Pavilhão e que o mesmo se iria chamar simplesmente Super Bock”.

“Ainda nesse mês o presidente Rui Moreira convidou-me para reunir com ele na câmara e aí, começou por afirmar exactamente o contrário dos senhores do Círculo de Cristal: ‘A toponímia não se muda’ e acrescentou, sabendo do meu enorme constrangimento em que o meu nome esteja ligado uma bebida alcoólica e até da legalidade discutível desta situação: Mas se a Rosa pudesse aceitar a bebida alcoólica (Super Bock) a Cidade beneficiaria muito”, escreve a atleta. 

A maratonista conta ainda que reuniu com a vereadora do Desporto, Catarina Araújo, dizendo que “aceitaria o ‘suplemento' Super Bock” à designação Pavilhão Rosa Mota. Mas que o nome deveria ficar Pavilhão Rosa Mota - Super Bock Arena e não Super Bock Arena Pavilhão Rosa Mota, por o considerar “uma inaceitável subalternização da toponímia da cidade”. 

Com o avanço das obras, percebeu que esse “acordo” não estava a ser cumprido. Já depois da reunião de quinta-feira, na qual Rui Moreira lhe terá dito que “não seria possível impor ao Consórcio” o que tinha sido acordado anteriormente com a vereadora, Rosa Mota diz que voltou a questioná-lo, por email. Como não obteve resposta, decidiu enviar um email a todo o executivo dando conta de que não estaria presente na reabertura do pavilhão. 

PÚBLICO - O logótipo que Rosa Mota rejeitou
O logótipo que Rosa Mota rejeitou
PÚBLICO - O logótipo que a maratonista estaria disposta a aceitar
O logótipo que a maratonista estaria disposta a aceitar
Fotogaleria

Oposição também não foi à inauguração

A oposição, que havia votado contra a mudança de nome do pavilhão, mostrou-se desagradada com o aspecto das letras do novo pavilhão e anunciou que não estaria presente na inauguração do edifício, esta tarde. Aquilo que ficou aprovado, disseram em uníssono, foi um acrescento da marca Super Bock Arena ao nome pavilhão Rosa Mota e não o contrário.

Manuel Pizarro, do PS, disse que existem ainda todas as condições para alterar o aspecto do nome, se houver “vontade política”. Da CDU, Ilda Figueiredo pediu que a câmara solicitasse aos promotores que alterasse o nome. “A cidade sente que a atleta está a ser menorizada. Também o vereador do PSD, Álvaro Almeida, sublinhou que o que ficou decidido não é exactamente aquilo que foi concretizado. “A resolução previa um acrescento do Super Bock Arena e não o contrário”. 

Já do lado do Bloco de Esquerda, José Soeiro, deputado pelo círculo do Porto, faz as contas e afirma que “havia dinheiro de sobra para ser a autarquia a recuperar aquele equipamento, sem concessioná-lo a privados”. Lembrando o encontro do Presidente da República com a atleta — que valeu uma interrupção das reuniões com os partidos para a formação de Governo — José Soeiro escreve que a Rosa Mota o gesto de Marcelo Rebelo de Sousa serviu “de pouco perante a supremacia do patrocínio de uma marca de cerveja — e uma maioria de vereadores que foram eleitos proclamando o amor pelo Porto mas que não se importaram de vender a alma a um privado”. E, apelando a que não se deixe o assunto cair no silêncio, deixa um aviso: “O Porto, que alguns gostariam de tornar numa marca comercial, não está à venda.”

No comunicado emitido ainda na noite de domingo, a câmara do Porto afirmava ainda não ter “preconceitos quanto à existência de patrocinadores comerciais que, como noutros equipamentos semelhantes noutras cidades, ajudam à concretização de objectivos de interesse público não onerando os impostos dos cidadãos”. 

Finalmente inaugurado

Depois de ter lamentado a ausência da atleta, Rui Moreira congratulou-se com a abertura do Pavilhão. “Já o temos, seis anos depois”, continuou o Presidente referindo-se à data em que tomou a presidência. Preservar a identidade do edifício e assegurar a acústica para todo o tipo de eventos foram os dois objectivos essenciais desta renovação que, desde o início das obras, demorou 18 meses a estar concluída.

Com capacidade para oito mil pessoas, o espaço é polivalente, podendo acolher espectáculos, eventos desportivos, congressos, seminários, feiras e exposições. Tem um centro de Congressos, uma zona de exposição, quatro salas planas destinadas a eventos empresariais, bancadas retrácteis que adaptam o espaço ao conceito do evento a decorrer, uma zona de alimentação e um restaurante com vista para o lago que tem abertura prevista no primeiro semestre de 2020.

“A partir de hoje os cidadãos do Porto e do Norte já não terão de se deslocar para assistir a grandes eventos”, disse na inauguração Jorge Silva, da PEV Entertainment, que não se referiu à polémica sobre o nome do espaço. 

A inaugurar a sala de espectáculos estarão os Ornatos Violeta já na próxima quinta-feira, dia 31 de Outubro. Outros concertos já estão marcados como o projecto Amar Amália, dia 16 de Novembro, ou Rui Veloso a 14 de Dezembro. Com Sónia Sapage, Liliana Borges e Maria Valente

Sugerir correcção