Em Lisboa, a Avenida dos Combatentes é a próxima a ter ciclovia

Empreitada vai durar pouco mais de um mês e inclui a supressão de uma via de trânsito automóvel em cada sentido.

Foto
DR

A Avenida dos Combatentes é a próxima artéria de Lisboa que vai ter uma ciclovia. Os trabalhos começaram esta segunda-feira e têm duração estimada de sete semanas. Será suprimida uma via de trânsito automóvel em cada sentido, embora não em toda a extensão da avenida.

A ciclovia, bidireccional, terá início na Praça de Espanha junto ao recinto do antigo mercado e seguirá encostada ao separador central no sentido Praça de Espanha – Estádio Universitário, ocupando assim a via mais à esquerda. Sensivelmente a meio da avenida, na aproximação à Universidade Católica, a pista serpenteia para o sentido contrário, ocupando também a via da esquerda.

A autarquia justifica esta mudança de um lado para o outro com a necessidade de manter o mesmo número de vias junto aos semáforos para que não se perca capacidade de escoamento automóvel. A Avenida dos Combatentes é uma via importante na cidade, permitindo ligações à Av. Lusíada, à Segunda Circular, à Av. das Forças Armadas e às avenidas Gulbenkian, Berna e António Augusto de Aguiar. Segundo o estudo de tráfego pedido pela câmara para as obras na Praça de Espanha, a Avenida dos Combatentes é, naquela envolvente, a artéria mais usada durante a hora de ponta da manhã, injectando mais de 2000 veículos na praça.

Esta nova ciclovia será de criação relativamente fácil, uma vez que a câmara apenas vai colocar blocos de betão no limite da via e fazer as pinturas necessárias. Quando estiver pronta será possível andar de bicicleta entre a Praça de Espanha e a Av. Prof. Egas Moniz, seguindo-se a ligação (curta) até ao Estádio Universitário e, mais tarde, a integração na futura rede ciclável da praça.

O município prometeu o início das obras da nova rede viária da Praça de Espanha para o segundo semestre de 2019, mas até agora não há sinais de trabalhos no local. A empreitada vai ser gerida pela SRU e esta empresa municipal contratou recentemente uma companhia para fornecer a sinalização da obra, o que parece indicar que a construção se iniciará em breve.

As mudanças naquela praça incluem a eliminação das vias que a cortam ao meio, ligando directamente as avenidas Gulbenkian e dos Combatentes, e a criação de dois cruzamentos em cada topo. Ao centro surgirá um grande parque verde, cujo concurso de construção está neste momento a decorrer. Fernando Medina garantiu a sua conclusão em 2020.

O actual executivo tem a intenção de chegar ao fim do mandato, em 2021, com 200 quilómetros de ciclovia em Lisboa. Estão neste momento a decorrer trabalhos na Praça de Londres e na Av. Defensores de Chaves, seguir-se-ão outros nas avenidas da Índia, Gago Coutinho, Roma e Ceuta.