Incêndios na Califórnia levam à retirada de 180 mil pessoas das suas casas

Condado de Sonoma é o mais afectado, com ventos fortes a dificultarem trabalho dos bombeiros. Mais de dois milhões de pessoas estão sem energia nas regiões afectadas pelas chamas. Quem recusar sair “ficará entregue à sua sorte”, diz polícia.

Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
LUSA/PETER DASILVA
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM
Fotogaleria
Reuters/STEPHEN LAM

Cerca de 180 mil pessoas receberam ordem das autoridades para abandonar as suas habitações, na sequência de um incêndio florestal que ameaça várias regiões da zona Norte do estado da Califórnia.

Os ventos fortes têm contribuído para a magnitude deste incêndio, baptizado com o nome “Kincaid Fire”. De acordo com dados do serviço nacional de meteorologia norte-americano citados pelo Los Angeles Times, foram registadas rajadas de ventos que chegaram a atingir os 150 km/h. O incêndio teve início no condado de Sonoma, na região vinhateira no Norte do estado norte-americano, na passada quarta-feira. As cidades de Healdsburg e Windsor receberam ordem de evacuação total no sábado, algo que provocou fortes congestionamentos e uma corrida aos combustíveis da região. Uma habitante de Windsor ouvida pelo diário californiano diz que arrumou rapidamente as roupas, alguns bens essenciais e os dois animais de estimação após receber a ordem de evacuação.

Foto
Bombeiros tentam controlar incêndio antes que ventos se intensifiquem PETER DASILVA / REUTERS

De acordo com o New York Times, cerca de 95% dos residentes estão a acatar as ordens de evacuação. A polícia já deixou claro que não obrigará ninguém a abandonar as residências, nem irá deter quem se oponha às ordens de evacuação. Porém, quem recusar sair “ficará entregue à sua sorte”. Estimativas apontam para que o incêndio já tenha consumido perto de 80 edifícios – alguns de empresas ligados à produção vinícola –, provocando ferimentos a duas pessoas. 

Devido aos fortes ventos, as companhias eléctricas viram-se obrigadas a cortar preventivamente a electricidade a cerca de 940 mil clientes. Este domingo, Washington Post escrevia que eram já mais de dois milhões de pessoas sem energia na região. As rajadas derrubaram vários postes de iluminação, algo que poderia provocar novos focos de incêndio e que esteve na origem do corte de abastecimento eléctrico nestas regiões. 

O governador da Califórnia, Gavin Newson, garantiu que o estado irá alocar 75 milhões de dólares para ajudar as áreas afectadas pelos cortes de energia. Os bombeiros estão numa corrida contra o tempo: este domingo, as previsões apontam para que a força do vento volte a aumentar.

A qualidade do ar é outro factor que preocupa as autoridades: os habitantes das zonas mais próximas do incêndio têm recebido avisos para permanecerem dentro das habitações, de modo a reduzir ao máximo a sua exposição ao fumo. Uma foto capturada na quinta-feira por um satélite da NASA mostra que a cortina de fumo podia ser vista a partir do espaço. 

Foto
Fotografia capturada pelo satélite mostra cortina de fumo na Califórnia NASA

Em três dias, o fogo já consumiu cerca de 12 mil hectares, sendo que os bombeiros apenas conseguiram controlar 10% do incêndio.