Torne-se perito

Duas semanas depois do Nobel, Etiópia mergulhada em confrontos violentos

Mais de 60 pessoas morreram em confrontos motivados por conflitos étnicos nos últimos dias. Antigo aliado de Abiy Ahmed acusa-o de estar a conduzir o país rumo a uma ditadura.

Membros da etnia oromo em manifestação em frente à casa de Jawar Mohammed
Fotogaleria
Membros da etnia oromo em manifestação em frente à casa de Jawar Mohammed Tiksa Negeri/REUTERS
,Protestos etíopes em 2016
Fotogaleria
Jawar Mohammed, que passou de aliado a opositor do Presidente Tiksa Negeri/REUTERS
,Etiópia
Fotogaleria
O primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed Tiksa Negeri/REUTERS

Pouco mais de duas semanas depois de o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ter sido anunciado como vencedor do Prémio Nobel da Paz, protestos antigovernamentais deixaram mais de 60 mortos nos últimos dias.

Tudo começou na quarta-feira, quando o activista político Jawar Mohammed acusou a polícia de tentar organizar um ataque contra si, presumivelmente a mando do Governo. A reacção dos seus apoiantes foi imediata, com vários protestos em Addis Abeba e noutras cidades. Os manifestantes entraram em confronto com a polícia, mas ao fim de algum tempo a violência assumiu contornos inter-étnicos que se prolongaram nos dias seguintes.

Segundo a polícia da província de Oromia, que abrange a capital etíope, pelo menos 67 pessoas morreram – um manifestante diz que três pessoas foram mortas numa “acção policial” depois de terem dado entrada num hospital de Addis Abeba, de acordo com o New York Times.

A onda de violência reflecte uma luta política entre Abiy e Jawar, ambos da etnia oromo, que de aliados passaram a adversários. Jawar esteve vários anos exilado nos EUA até regressar no ano passado à Etiópia, tal como centenas de outros activistas que viram na subida de Abiy ao poder a abertura de uma oportunidade para a liberalização política.

Jawar fundou uma influente rede de meios de comunicação independentes que contrariam a narrativa oficial em vigor até recentemente na Etiópia, onde a etnia tigré era hegemónica face aos oromo. A sua capacidade de influência – tem 1,7 milhões de seguidores no Facebook – torna-o um importante actor no novo panorama político da Etiópia e a sua acção na promoção de manifestações a favor de Abiy fori decisiva para que o país tivesse pela primeira vez um chefe de Governo oromo.

No entanto, a relação entre ambos apresenta sinais de degradação que culminaram nos confrontos da semana passada. O analista do International Crisis Group, William Davison, diz que há “diferentes prioridades políticas” a separá-los. “Enquanto Abiy, de uma forma geral, quer afastar a coligação governamental e o país da política étnica, Jawar está concentrando em ampliar a autonomia e o poder do povo oromo”, diz ao New York Times o especialista.

Na sexta-feira, Jawar disse à Reuters que não exclui a possibilidade de se apresentar às eleições do próximo ano, desafiando Abiy e acusando o primeiro-ministro de estar a fazer regredir o país “na direcção de um sistema autoritário”.

Sugerir correcção