Os Paus mudam de pele

Tal como fazem as cobras, os Paus largaram a pele anterior não para traírem a sua identidade, mas para poderem continuar a crescer.

Foto

O quarteto lisboeta não será um artrópode (insectos, crustáceos, aracnídeos, etc.) e não terá um exoesqueleto. Mas há algo de mudança de pele a identificar-se no  novo álbum, Yess. São eles quem o canta em Luzia veneno, repetindo para que ninguém alegue que não ouviu: “Eu estou a mudar de pele”. E ao longo de Yess são várias as pistas nesse sentido: em Passos largos garantem que “Quem nunca muda morreu” e no tema que dá título ao álbum afirmam “Eu sou o que me apetece”, acrescentando ainda “Eu existo, eu persisto e insisto que isto sou eu”. Yess, em termos temáticos como musicais, é um disco de questionamento identitário e de desejo de expansão.

Sugerir correcção
Comentar