Crítica

Nova Iorque e o grande Gatsby

Uma comédia romântica neurótico-melancólica mista de declaração de amor à cidade que Woody Allen filma como mais ninguém.

,Nova york
Foto
Uma carta de amor de Woody Allen a Nova Iorque com uma melancolia triste mas genuína

Um jovem universitário diletante e neurótico prepara um fim-de-semana perfeito com a sua namorada em Nova Iorque, até a cidade – ou o acaso – o decidir estragar com todo o tipo de encontros casuais e peripécias inesperadas. Eis a “entrega anual” de Woody Allen (que já terá entretanto terminado outro filme, rodado em Espanha), desta vez chegada com atraso devido à situação de quase-boicote lançada pelo movimento #MeToo à volta das acusações de abuso que a ex-mulher Mia Farrow continua a fazer. Um Dia de Chuva em Nova Iorque não teve estreia nos EUA, nem é provável que a venha a ter nos tempos mais próximos – isso não impediu que o filme esteja agora a fazer o seu caminho normal pela Europa, região onde Allen já há muito tem mais impacto.