O que é um filme?, pergunta o Doclisboa

Três objectos fora do comum para pensar a própria natureza do que é um filme em 2019: Eu Não Sou Pilatus, Um Filme de Verão e Un Film dramatique

"Eu não sou Pilatus": vídeo tirado do Facebook onde se filma a forte presença policial durante uma manifestação. De Welket Bungué
Fotogaleria
"Eu não sou Pilatus": vídeo tirado do Facebook onde se filma a forte presença policial durante uma manifestação. De Welket Bungué dr
"Um Filme de Verão" na competição Internacional
Fotogaleria
"Um Filme de Verão" na competição Internacional dr
"Un Film dramatique", Éric Baudelaire
Fotogaleria
"Un Film dramatique", Éric Baudelaire dr

Uma das questões que têm atravessado o Doclisboa — e não só este ano — é a própria noção do que pode ser um documentário, e, no limite, um filme. Como é que a câmara pode transmitir e, ao mesmo tempo, respeitar a realidade e a realidade daqueles que filma? Corre-se, nesse processo, o risco da condescendência, da generalização, da incompreensão. Não é preciso ir mais longe do que ver o que o luso-guineense Welket Bungué faz na curta Eu Não Sou Pilatus (Competição Internacional; repete quinta 24 às 14h na Culturgest em abertura de Santikhiri Sonata): um vídeo tirado do Facebook onde se filma a forte presença policial durante uma manifestação, pretexto para a autora do vídeo desfiar em off um rol de afirmações condescendentes, racistas e privilegiadas.

Bungué manipula a imagem e o som para desmontar e denunciar as contradições e as falsidades no discurso da autora do vídeo (fica célebre a frase “que me desculpem os meus amigos negros do Facebook, mas...”). Mas se este tipo de manipulação representa um legítimo gesto de cidadania revoltada, é legítimo também perguntar se este curto exercício (11 minutos) de agit-prop digital, testemunho astuto de um racismo presente logo abaixo da superfície, é no limite um filme. A sua urgência exige um espaço de difusão mais alargado e menos limitado do que a sala de cinema.

Eu Não Sou Pilatus ainda será, então, um filme tal como nos habituámos a pensá-lo, ou antecipa outra coisa, outra ideia de cinema que ainda não abrangemos por completo? Questão ontológica a que só o olhar de cada observador poderá responder, mas que se prolonga para duas longas-metragens que a integram na sua própria construção.

Um Filme de Verão (Competição Internacional; repete quarta 23 às 10h30 na Culturgest) é consequência do projecto transdisciplinar Diário de Férias, animado por Jô Serfaty em 2015 e 2016 na favela do Rio das Pedras, no subúrbio carioca de Jacarépaguá. Un Film dramatique (secção Da Terra à Lua; Culturgest, quarta 23 às 21h30 e quinta 24 às 10h30) surge do trabalho realizado por Éric Baudelaire ao longo de quatro anos com os alunos de uma escola dos subúrbios parisienses. Em ambos os casos, o que os cineastas e os jovens que participam fazem equivale à descoberta de múltiplos entendimentos do que o cinema é e pode ser – e, como diz um dos alunos de Baudelaire às tantas, “um filme pode ser tudo e qualquer coisa”.

No caso de Um Filme de Verão, esse “tudo e qualquer coisa” é uma realidade auto-ficcionada por Karol, Caio, Junior e Ronaldo, os quatro jovens a que Serfaty “entrega” o filme: os últimos meses de férias entre o final da escolaridade e a entrada no mundo adulto, uma entrada na idade adulta vista pelos olhos de jovens da favela mas recusando os lugares-comuns. Os quatro amigos fazem exactamente o mesmo que os seus contemporâneos do Leblon ou da classe média fariam: ouvem música, saem com amigos, vão à praia, enviam currículos, inventam vídeos de viagens para o YouTube. É, reconhecivelmente, um filme – o título, claro, é irónico: estas férias de Verão nada têm a ver com a imagem idílica perpetuada pelas comédias americanas, mas estão muito mais próximas de uma realidade partilhada por milhões de jovens.

Em Un Film dramatique, Éric Baudelaire literalmente “entrega” o filme nas mãos dos seus alunos articulando, com a mão preciosa da montadora Claire Atherton, diferentes olhares e diferentes maneiras de aprender e apreender o cinema a partir de uma multiplicidade muito variada de materiais. Não existe uma narrativa, nem sequer um foco; apenas o percurso de uma turma adolescente que aprende a pensar o cinema de forma lúdica e descontraída, uma experiência que olha para o quotidiano a partir de dentro (num slogan às tantas colado por um dos alunos, lê-se: “pour une vie plus belle allons vers le réel” - “para uma vida mais bela dirijamo-nos para a realidade”). É a realidade que Un Film dramatique regista, num objecto que se pensa a si próprio de forma lúdica e se abre ao acaso com uma inegável espontaneidade. O título é também irónico – vem das discussões de Baudelaire com os alunos, no início do projecto, sobre o que é um filme. Alguém disse “um filme é uma coisa que nos transporta”; Un Film dramatique fá-lo, mesmo que de modos que não esperaríamos.