Estádio do Braga “totaliza já” 175 milhões de euros custando mais do que o Hospital

O actual custo daquela infra-estrutura, que a autarquia pondera alienar, “corresponde a um valor superior ao do Hospital de Braga, a 1,5 vezes o custo do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL)”, diz a câmara.

Estádio foi desenhado por Souto de Moura
Foto
Estádio foi desenhado por Souto de Moura LUSA/ESTELA SILVA

O custo do Estádio Municipal de Braga, construído para o Euro 2004, “totaliza já” 175 milhões euros, “mais que do que custou o hospital”, o que para a CDU local demonstra o “desvario” que foi todo o processo.

A pedido do vereador da CDU, Carlos Almeida, a autarquia “desencadeou um esforço nunca antes feito de sistematização de dados e compilação de cifras”, documento a que a Lusa teve acesso, sobre os custos do Estádio Municipal, documento a que a Lusa teve acesso, que demonstra que a infra-estrutura orçada cerca de 65 milhões de euros pode custar “ainda mais” do que já apurado, uma vez que decorrem ainda vários processos judiciais que podem “agravar os custo” do Estádio Municipal.

Segundo exemplificou à Lusa o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio (PSD/CDS-PP/PPM), o actual custo daquela infra-estrutura, que a autarquia pondera alienar, “corresponde a um valor superior ao do Hospital de Braga, a 1,5 vezes o custo do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), a 10 vezes o investimento necessário para a conclusão da Variante do Cávado e a intervenção do Nó de Infias, 15 vezes o investimento feito no Parque de Exposições de Braga, 30 vezes o investimento em curso no Mercado Municipal e 50 vezes o investimento na expansão do Parque Desportivo da Rodovia”.

Em declarações à Lusa, o vereador da CDU afirmou que “os números são claros e indicam o desvario que foi a condução de todo o processo de construção do Estádio”, marcado por obras a mais, processos judiciais, trabalhos de recuperação, reparações e acréscimos.

Salientando que ainda não pode “ver ao detalhe” o documento da autarquia, Carlos Almeida referiu que “têm que ser apuradas responsabilidades por estes números”.

“Não podemos deixar assobiar para o lado e deixar que isto passe como se nada fosse”, afirmou.

O vereador da CDU disse ainda que “embora reconhecendo que estes valores restringem muito a actividade da autarquia, até porque estão a ser pagos ao longo do tempo, não podem servir para justificar tudo”,

“Isto também não pode ser usado como desculpa para a falta de investimento da câmara nos últimos anos [desde que Ricardo Rio assumiu o cargo em 2013]”, disse.

Além dos custos de construção, o Estádio representa para os cofres da autarquia custos anuais de manutenção e funcionamento: “ficou sempre estabelecido que a câmara municipal suportaria todos os encargos de manutenção do equipamento e que caberia ao Clube custear os encargos de funcionamento (...). Já no que concerne à manutenção do estádio, os custos anuais variam de ano para ano, mas, em média, rondam os 110 mil euros, com trabalhos de electricidade, mecânicos e construção civil”, lê-se.

O documento acrescenta ainda que à verba de 175.132.366 euros “acrescerão os valores em pendência judicial, dos quais cerca de 11 milhões (relativos ao consórcio Soares da Costa / ASSOC) não são já passíveis de recurso, e os encargos financeiros a suportar até à liquidação total dos empréstimos bancários”, sendo que corre também um litígio com o arquitecto da obra, Souto Moura.