Num só dia choveu no Porto metade do que normalmente chove em Outubro

Bastou uma manhã para o “fenómeno raro” causar inundações na via pública, parar a circulação de vários carros e causar algumas derrocadas.

Carro
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Nissan X-TRAIL
Fotogaleria
Fotogaleria

A quantidade de chuva que caiu este sábado no Porto foi quase metade do que é habitual para o mês de Outubro. Nos últimos 30 anos, por norma, Outubro tem registado uma precipitação mensal na ordem dos 245 milímetros (mm). Este sábado, os níveis de precipitação rondaram os 125 mm. Os dados são do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Bastou uma manhã para a chuva intensa causar inundações na via pública, parar a circulação dos carros na A28 junto à ponte de Leça da Palmeira, e condicionar operações do Aeroporto Francisco Sá Carneiro.

“É um fenómeno raro”, frisa ao PÚBLICO Paula Leitão, meteorologista do IPMA. “A última vez que se verificou precipitação de tal grandeza foi em 1986, há mais de 30 anos, e estendeu-se a toda a zona do litoral.”

A especialista explica que apenas se pode comparar o valor deste sábado com a média mensal de Outubro nos últimos 30 anos (245 mm). “De dia para dia os valores variam muito”, explica Paula Leitão. “Não faz sentido calcular uma média diária – fazemos isto para estações do ano ou meses e registamos extremos climatéricos.”

O pico de precipitação que se verificou no Porto terá sido causado pela "passagem de uma superfície frontal fria com ondulações” sobre a região. “Como uma das perturbaçõezinhas na superfície parou, precisamente, em cima do Porto, a descida da pressão levou a uma queda de precipitação forte na zona”, diz a meteorologista. “Foi um fenómeno muito localizado.” Em Braga, apesar dos estragos e das dezenas de ocorrências, os níveis de precipitação ficaram-se pelos 70 mm.

“Não há motivos para alarme. É preocupante no sentido em que estes fenómenos climatéricos causam danos materiais, mas a última vez que aconteceu foi em 1986 e a probabilidade de voltar a acontecer não é alta”, acrescenta Paula Leitão.

Ao todo, a Protecção Civil registou este sábado 420 ocorrências no distrito do Porto devido à forte queda de chuva, sendo sobretudo relacionadas com carros submersos e inundações de estradas secundárias. No quartel dos Sapadores do Porto, o telefone passou o dia “a tocar sem parar” e houve chamadas em lista de espera. “A maior parte das ocorrências foram infiltrações e algumas derrocadas”, adiantou ao PÚBLICO Carlos Marques, comandante dos Bombeiros Sapadores do Porto.

Imagens captadas em Matosinhos

Nos próximos dias, no distrito do Porto, a temperatura mínima deve continuar a descer, mas os níveis de precipitação devem diminuir, com céu nublado e alguns aguaceiros previstos até ao final da próxima semana.