Piñera cancela aumento dos transportes mas a revolta dos chilenos não pára

A vaga de protestos não cedeu ao estado de emergência e ao recolher obrigatório. As tropas nas ruas enfureceram os cidadãos de um país onde a ditadura militar só acabou em 1990. Protestos contra o aumento do custo de vida e a exigir reformas alastram.

Fotogaleria
Ivan Alvarado/Reuters
Frankfurter Allgemeine Zeitung
Fotogaleria
O Estado de Emergência e o recolhe robrigatório não travaram os protestos RODRIGO GARRIDO/Reuters
Santiago
Fotogaleria
O exército nas ruas de Santiago EDGARD GARRIDO/Reuters
Fotogaleria
IVAN ALVARADO/Reuters
Fotogaleria
IVAN ALVARADO/Reuters
,Santiago
Fotogaleria
Sebastian Piñera diz que "ouviu o povo" EPA
Fotogaleria
Reuters/RODRIGO GARRIDO

As Forças Armadas chilenas decretaram o recolher obrigatório em Santiago, e o Presidente Sebastian Piñera cancelou o aumento do preço dos transportes públicos que fizeram eclodir a revolta popular e os violentos confrontos dos últimos dias na capital e noutros pontos do país.