Morreu Jordão, antigo jogador do Sporting e do Benfica

Antigo avançado foi campeão seis vezes nas décadas de 70 e 80.

Fotogaleria
Uma das imagens mais icónicas de Jordão: a 1 de Junho de 1980, a "Gazela de Benguela" celebra a conquista do título nacional para o Sporting após a vitória, em Alvalade, sobre a União de Leiria, por 3-0, na última jornada Luís Vasconcelos/Lusa
Fotogaleria
Nesse Sporting-União de Leiria, num estádio lotado, inventam-se os lugares possíveis para ver os "leões" a conquistar o campeonato. Aqui, Jordão ameaça a baliza. Havia de marcar dois golos, e Manuel Fernandes o outro Luís Vasconcelos/Lusa
Fotogaleria
Augusto Inácio (primeiro à esquerda), Manuel Fernandes (segundo), Artur (terceiro) e Jordão (ao centro), entre outros jogadores do plantel leonino, saúdam os adeptos antes de um Sporting-Benfica, em Alvalade, a 8 de Abril de 1979 Manuel Moura/Lusa
Fotogaleria
Jordão disputa a bola noutro derby lisboeta, desta vez na Luz, a 6 de Maio de 1984 Fernando Baião/Lusa
Fotogaleria
Uma das muitas noites europeias de Jordão: em Alvalade, frente ao Dínamo de Minsk, para a Taça UEFA, a 24 de Outubro de 1984 Manuel Moura/Lusa
Fotogaleria
A cores, com a camisola da selecção nacional. O vermelho e o verde marcam a carreira de Jordão, que passou pelo Benfica, o Sporting, o Vitória de Setúbal e a selecção nacional. Adepto dos "leões", são estes que têm lugar de destaque na sua história Lusa
Fotogaleria
Com a selecção portuguesa, antes de um jogo amigável contra a Jugoslávia, a 2 de Junho de 1984. Em cima: Eurico Gomes, Jordão, Lima Pereira, Eduardo Luís e João Pinto. Em baixo: Bento, Frasco, Fernando Gomes, Jaime Pacheco, Fernando Chalana e Carlos Manuel Guilherme Venâncio/Lusa
Fotogaleria
Jordão disputa a bola com um adversário soviético, em Lisboa, a 13 de Novembro de 1983 Guilherme Venâncio/Lusa
Fotogaleria
Entrevistado à chegada a Lisboa, a 24 de Junho de 1984, após o Campeonato Europeu, onde Portugal chegou à meias-finais. A selecção perderia aí com a França, num encontro em que Jordão marcou duas vezes, alimentando a esperança dos portugueses até aos últimos minutos do prolongamento Alfredo Cunha/Lusa
Fotogaleria
Jordão colocaria um ponto final na carreira (onde também se regista uma passagem pelo Saragoça) após representar o Vitoria de Setúbal. Aqui, com Eurico Gomes e outros jogadores, momentos antes do jogo com o Penafiel, no Bonfim, a 9 de Janeiro de 1988 Guilherme Venâncio/Lusa

O futebolista Rui Jordão, antigo atleta do Sporting e do Benfica, morreu esta sexta-feira aos 67 anos, confirmou o PÚBLICO junto de fonte oficial do clube de Alvalade. O antigo avançado encontrava-se internado no Hospital de Cascais, devido a um problema cardíaco, e tinha recebido recentemente a visita do presidente do Sporting, Frederico Varandas. 

Jordão, nascido em Benguela, Angola, a 9 de Agosto de 1952, iniciou a carreira em 1971 no Benfica, onde alinhou até 1976. Depois de uma breve passagem por Espanha, onde jogou pelo Saragoça, ingressou no Sporting, onde cumpriu nove épocas e marcou 186 golos em 286 jogos, tornando-se num dos símbolos dos “leões” durante as décadas de 70 e 80.

Numa nota no site do Sporting, o clube lamenta a morte de “um dos maiores nomes da história do clube” e de “um atleta de excelência que deixou tudo em campo com o objectivo de engrandecer o nome” do emblema lisboeta, recordando a “dupla temível e inesquecível” que formava com Manuel Fernandes.

Pelo Sporting, Jordão conquistou dois campeonatos nacionais (1979/80 e 1981/82) e duas Taças de Portugal (1977/78 e 1981/82). Antes, no Benfica, foi campeão quatro vezes e conquistou outra Taça de Portugal. Foi por duas vezes o melhor marcador do campeonato português, uma pelo Benfica (1975/76) e outra pelo Sporting (1979/80).

Numa nota do site do clube da Luz, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, expressa “o mais profundo pesar” em nome pessoal e dos “encarnados”, manifestando ainda “as mais sentidas condolências para toda a sua família e ao Sporting Clube de Portugal”.

Representou por fim o Vitória de Setúbal, onde terminou a carreira em 1989. Nas redes sociais, o clube sadino também manifestou pesar pela morte do atleta.

Pela selecção portuguesa, onde somou 43 internacionalizações, é sobretudo recordado pela meia-final do Campeonato da Europa de 1984, frente a França, onde marcou dois golos, não evitando contudo a eliminação de Portugal (2-3) nos últimos minutos do prolongamento.

“Jordão foi um jogador especial, uma figura ímpar que prestigiou todos os portugueses e nos fez arrancar aplausos e emoções fortes. A sua prestação no caminho para o Euro 84, e na nossa campanha em França, fez vibrar todo o país e foi digna de um verdadeiro campeão. À sua elegância e delicadeza em campo, Jordão deixa-nos igualmente um legado de resiliência e grande dignidade na sua vida pessoa”, declarou Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, no site da instituição.