Homem julgado por 140 mil crimes de pornografia de menores

Arquivo de conteúdos pedófilos foi encontrado durante uma busca domiciliária.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Um homem de 36 anos, acusado de um crime de abuso sexual de crianças e de 139.619 crimes de pornografia de menores, começou esta quarta-feira a ser julgado no Tribunal da Comarca da Madeira, numa audiência que o juiz determinou que fosse à porta fechada.

A 18 de Dezembro de 2018, a Polícia Judiciária comunicou a detenção na Madeira do arguido, numa investigação desenvolvida em colaboração com a Unidade Nacional de Combate ao Cibercrime e à Criminalidade Tecnológica.

A PJ referiu no documento que, “na sequência da sinalização por organismo internacional de actividades suspeitas de indiciar a prática de crimes de pornografia de menores em meio digital, foram desenvolvidas diligências de investigação, nomeadamente uma busca domiciliária, tendo-se procedido à apreensão de diversos suportes informáticos contendo milhares de ficheiros de imagem e vídeo relativos a pornografia infantil que possuía e partilhava, pelo menos desde 2011”.

O arguido, um lusodescendente, ficou a aguardar julgamento em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional da Cancela.

De acordo com a acusação, o caso foi detectado em Novembro de 2017, tendo numa busca ao apartamento onde residia o arguido sido encontrados milhares de ficheiros com conteúdo relacionado com abuso sexual de menores, alguns deles bebés, embora não tenha ficado provado que o arguido tivesse participado nestes actos.

O presidente do colectivo, Filipe Câmara, tendo em conta a natureza dos crimes, determinou que o julgamento fosse realizado à porta fechada, no Tribunal da Instância Central da Madeira.