Eleições em Moçambique: dados preliminares dão vitória a Nyusi; dois mortos em Nacala

Dados preliminares dão a vitória nas presidenciais a Filipe Nyusi com 72%. Ossufo Momade terá conseguido apenas 21% dos votos. Nacala Porto foi a excepção violenta a uma jornada eleitoral calma.

João Lourenço
Fotogaleria
As eleições tiveram lugar na terça-feira ANDRE CATUEIRA/LUSA
Fotogaleria
Um cartaz de Nyusi Reuters/GRANT NEUENBURG

A Escola Secundária S. Vicente de Paulo, em Nacala Porto, na província de Nampula, no Norte de Moçambique foi, na terça-feira, a excepção violenta a uma jornada eleitoral mais ou menos calma em todo o país. Um homem foi morto a tiro pela polícia, que disparou gás lacrimogéneo e munições reais para dispersar uma multidão que tentava invadir as assembleias de voto ao final do dia, divulgou esta quarta-feira a Sala da Paz, que congrega várias organizações da sociedade civil, que acompanhou o sufrágio com observadores eleitorais.

De acordo com a Monitor, outra ONG que tinha observadores no terreno, outra pessoa acabou morta no mesmo estabelecimento de ensino de Nacala. O homem tentava entrar pelas traseiras da escola e acabou por ser descoberto pelos agentes da polícia que faziam a segurança das mesas de voto. Espancado e algemado, foi trancado numa sala, antes de ser transportado para o comando da polícia, onde chegou sem vida.

O processo de contagem de votos na Escola de S. Vicente de Paulo também se viu envolvido em polémica, quando os protestos do delegado da Renamo numa das mesas interrompeu a contagem às 22h de terça-feira (21h em Portugal continental), contestando os votos anulados por rasuras ou preenchimento incorrecto dos boletins. A discussão com os membros da mesa de voto terminou com o delegado a pontapear a urna com os votos já contados, obrigando à recontagem, que só terminaria às sete da manhã desta quarta-feira.

Foram os momentos mais tensos de um dia de eleições relativamente tranquilo, de acordo com a conclusão das múltiplas organizações da sociedade civil, moçambicanas e estrangeiras, que acompanharam todo o processo.

De acordo com a avaliação feita pela Sala da Paz e pela Monitor, a participação eleitoral deve ter superado mais de 50%, com uma subida do voto das mulheres, cuja maior abstenção era um dos problemas referidos por muitas organizações.

Segundo as projecções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o actual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito com 72% dos votos. O líder da Renamo, Ossufo Momade, terá ficado em segundo lugar, com 21%, enquanto Daviz Simango se ficou pelos 5,8%. Sobre o quarto candidato presidencial, Mário Albino, não há ainda dados suficientes, mas a sua votação terá sido residual em todo o país, com excepção de Nampula, onde tem a sua base eleitoral.

Sugerir correcção