Tropas russas patrulham território abandonado pelos EUA na Síria

Porta-voz da coligação liderada pelos EUA anunciou esta terça-feira a retirada do distrito de Manbij. Ministério da Defesa russo diz que a cidade está agora sob controlo do regime de Bashar al-Assad.

Soldados russos e sírios nas imediações de Manbij
Foto
Soldados russos e sírios nas imediações de Manbij Reuters/OMAR SANADIKI

As tropas russas estão a patrulhar áreas no Norte da Síria que foram abandonadas pelos Estados Unidos por ordem do Presidente norte-americano, Donald Trump, preenchendo o vazio de poder. A Turquia, por outro lado, ignorou a ameaça de se ver vítima de sanções “semelhantes às aplicadas ao Irão” e continuou a ofensiva no Nordeste sírio.

“As forças da coligação estão a executar uma retirada deliberada do Nordeste da Síria. Estamos fora de Manbij”, disse nesta terça-feira, através do Twitter, o coronel norte-americano Myles B. Caggins III,  porta-voz da coligação internacional liderada pelos EUA para combater o Daesh.  

Jornalistas da Reuters que viajam com o exército de Bashar Al-Assad confirmaram ao fim do dia que entraram no centro da cidade de Manbij, que tem sido um ponto quente da guerra da Síria. Viam-se bandeiras russas e sírias em alguns edifícios e numa caravana de veículos militares.

O enviado especial da Rússia para a Síria, Alexander Lavrentiev, disse que a Turquia não tem o direito de manter forças na Síria de forma permanente. Só pode penetrar cinco a dez quilómetros no território – e Moscovo, afirmou, “não aprovou esta operação”.

Os curdos fizeram um acordo com Assad para proteger algumas cidades do avanço da ofensiva turca no seu território.

Os Médicos Sem Fronteiras anunciaram que vão retirar a maior parte do seu pessoal do Nordeste da Síria e suspender a sua actividade, por falta de condições de segurança.

As Nações Unidas estimam que a Turquia pode ser responsável por crimes de guerra cometidos por combatentes árabes que actuam no Nordeste da Síria como forças irregulares que acompanham o exército turco. Um desses crimes poderá ser o assassínio de Hevrin Khalaf, uma política curda assassinada à beira da estrada por homens armados que filmaram a cena e colocaram o vídeo na Internet, diz a Reuters.

As sanções económicas que Donald Trump prometeu contra Ancara, se Recep Rayyip Erdogan não puser fim à invasão (depois de ter ordenado a retirada das tropas norte-americanas do Norte da Síria, na semana passada, dando luz verde à entrada da Turquia), e reiteradas pelo senador Lindsey Graham, não pareceram impressionar o Presidente turco.

Já os aliados de Trump insistem que o Presidente dos EUA não autorizou a ofensiva turca durante um telefonema de Erdogan para a Casa Branca na semana passada. “Os Estados Unidos não vão tolerar mais a invasão da Síria”, afirmou o vice-presidente norte-americano, Mike Pence. “Apelamos à Turquia para que desista, acabe com a violência e venha para a mesa de negociações.”

Lindsey Graham prometeu que as sanções cairiam sobre a economia turca “como uma tonelada de tijolos”. Deverão incluir a reposição de tarifas ao aço turco e o fim de negociações sobre um acordo de comércio – mas as trocas comerciais entre os EUA e a Turquia não são muito significativas, representam cerca de um décimo das que Ancara tem com a União Europeia.

A alavanca mais eficaz de Washington para forçar Erdogan seria cortar o acesso da Turquia aos mercados financeiros, mas Trump não mostrou vontade para pressionar essa tecla.

“Estas sanções são uma resposta fraca dada tarde demais”, disse a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi. “Não conseguirão reverter o desastre humanitário.”

A Volkswagen anunciou, entretanto, que irá adiar a decisão final sobre a construção de uma fábrica no valor de cerca de mil milhões de euros na Turquia, citando preocupações com “os actuais desenvolvimentos” e a condenação da invasão turca do Nordeste da Síria.

Sem criticar directamente o Presidente Trump por ter ordenado a retirada dos soldados norte-americanos da fronteira entre a Síria e a Turquia, Lindsey Graham elencou três prioridades para impedir as consequências dessa decisão: travar o ressurgimento do Daesh (cerca de 800 ex-combatentes terão escapado dos campos onde estavam detidos sob controlo dos curdos); manter uma presença militar no Sul da Síria para controlar o tráfico de armas do Irão para o Líbano; e impedir o Irão de assumir o controlo dos poços de petróleo na Síria – o que, a acontecer, “deitaria por terra tudo o que o Presidente Trump tem feito para combater o Irão”, disse o senador.

Para além dos receios de políticos e especialistas militares em relação ao Daesh, o movimento evangélico norte-americano também criticou a decisão do Presidente Trump – uma rara crítica num apoio que dura desde a campanha eleitoral de 2016 e que resistiu a muitas polémicas, desde casos amorosos extraconjugais à política de separação de famílias na fronteira entre os EUA e o México. Para alguns líderes evangélicos, a ofensiva da Turquia vai resultar num “massacre” de curdos e cristãos no Norte da Síria, e a culpa é da decisão de Donald Trump de “trair” os seus aliados curdos.

Sugerir correcção