O “jogo do paralelo 38”, entre as Coreias, que não teve adeptos

O treinador português Paulo Bento terá, certamente, uma história para contar para o resto da vida, depois de ter estado no banco da Coreia do Sul. A partida acabou empatada a zero, e pouco mais se sabe sobre um jogo “fantasma”.

Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT
Fotogaleria
LUSA/KFA HANDOUT

Um evento futebolístico “fantasma”, quase secreto, do qual só houve novidades - e poucas - já bem depois de ter começado. Nesta terça-feira, quase 30 anos depois, houve um Coreia do Norte-Coreia do Sul oficial de futebol sénior. De “espectáculo de futebol” este jogo teve muito pouco, já que, sem pessoas nas bancadas, apenas terão participado 22 jogadores, uma bola, árbitros e elementos técnicos das equipas. Nada mais.

A contar para a qualificação para o Mundial 2022, este jogo tinha o “condão” de materializar a recente aproximação entre as Coreias. Esperava-se algo histórico, mas nada com a Coreia do Norte acontece como se espera e este jogo teve contornos bizarros: não foi transmitido na televisão, as apostas desportivas foram suspensas, por falta de informação sobre o jogo, o início da partida foi anunciado já com 15 minutos de atraso e não existiu, da parte das federações ou da FIFA, o habitual relato ao minuto, ou sequer informações estatísticas.

A população também não teve autorização para entrar num estádio que poderia receber 50 mil pessoas. “As fotografias enviadas pelos nossos elementos mostram que não havia uma única pessoa nas bancadas. Não entendemos a razão pela qual o Norte faz isto”, referiu um responsável da federação sul-coreana, citado pela Lusa.

A Coreia do Sul, treinada pelo português Paulo Bento, teve direito a vistos de acesso a Pyongyang. Jogadores e corpo técnico puderam entrar no país, mas adeptos e jornalistas não. E também não puderam transmitir o jogo para o seu país.

A excepção às proibições seria para o presidente da FIFA, Gianni Infantino, mas, perante o vazio informativo acerca deste jogo “fantasma”, nem a presença do dirigente é um dado adquirido. E muito menos a de Kim Il-Sung.

Importa não esquecer que, em torno de todo este contexto bizarro, houve um jogo de futebol. A partida terminou empatada a zero e as duas equipas continuam igualadas no topo do grupo H. A Coreia do Sul receberá a Coreia da Norte a 4 de Junho de 2020.