Entrevista

“Estar sozinho, isolado ou viver só aumenta em 30% o risco de morte precoce”

Julianne Holt-Lunstad, psicóloga norte-americana, explica como é que a solidão e o isolamento social desencadeiam respostas fisiológicas que levam às doenças cardíacas, à depressão e ao risco de morte prematura.