Entrevista

Robin Knox-Johnson: “Eu olho para o mar e vejo um amigo que me oferece liberdade”

Foi o primeiro velejador a percorrer as 26 mil milhas náuticas à volta do mundo sem assistência e sem paragens. Esteve recentemente em Portugal e, em conversa com a Fugas, recorda os mais marcantes e os mais difíceis momentos dessa viagem que começou em 1968. “Quando falamos em ondas de 30 metros, falamos de ondas realmente grandes.”

Fotogaleria
Fotogaleria
DR
Vela
Fotogaleria
DR
Robin Knox-Johnston
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
Corrida do Globo de Ouro do Sunday Times
Fotogaleria
DR
,Suhaili
Fotogaleria
DR
,Corrida do Globo de Ouro do Sunday Times
Fotogaleria
DR
,Suhaili
Fotogaleria
DR
Suhaili
Fotogaleria
DR
,Corrida do Globo de Ouro do Sunday Times
Fotogaleria
DR
Fotogaleria
DR

Mais de quatro mil montanhistas já subiram ao topo do monte Evereste; mais de 600 pessoas já viajaram no espaço; até hoje, menos de uma centena de velejadores percorreu as cerca de 26 mil milhas náuticas à volta do mundo de barco sem assistência e sem paragens. O primeiro a fazê-lo foi Robin Knox-Johnson. A 14 de Junho de 1968, o velejador inglês, a bordo do Suhaili, partiu de Falmouth, no Sudoeste do Reino Unido, para competir na Golden Globe Race, a primeira regata à volta do mundo. Trezentos e doze dias mais tarde, apesar de ter velejado numa das mais pequenas (9,8 metros) embarcações em prova, Robin Knox-Johnson e o Suhaili regressaram a Falmouth. Foram os primeiros e os únicos. Mais nenhum dos outros oito barcos concluiu a Golden Globe Race. Cinquenta anos depois, a Fugas conversou com Robin Knox-Johnson em Portimão, durante a paragem da Clipper Round the World Yacht Race na cidade algarvia.