Opinião

O senhor Ventura não é fascista

Como Marine Le Pen, André Ventura não é fascista. Já não se usa. O senhor Ventura é outra coisa: é de extrema-direita.

Falamos do Chega com pezinhos de lã e percebe-se porquê. O partido de André Ventura elegeu um deputado e muitos acreditam que é só uma questão de tempo até eleger mais.

O instinto dos sensatos diz que quanto menos atenção lhe dermos, melhor. Há quem antecipe espasmos pontuais de extremismo nas intervenções na Assembleia da República, pois sem eles Ventura desaparece das televisões. E há quem antecipe uma “lepenização” à la Marine Le Pen que, ao suavizar o discurso herdado do pai, multiplicou o eleitorado da agora rebaptizada União Nacional.

Nesta lógica, também não ajudaria debater o lugar que o Chega ocupa nas famílias ideológicas portuguesas. O cuidado em classificá-lo é evidente. Há no ar uma espécie de pudor em dizer o que o Chega é. Alguns leitores protestaram contra o uso do rótulo de “extrema-direita”. Outros dizem que é “apenas populista”. Em que ficamos?

André Ventura não gosta que digam que é de extrema-direita. Logo na primeira linha do seu programa político diz que o Chega “é um partido conservador” (em rigor, não é na primeira linha, pois o programa começa com um longo excerto de um artigo de opinião publicado no Observador — talvez uma originalidade cósmica — co-assinado por José Miguel Pinto dos Santos, professor na AESE Business School, próxima do IESE Business School da Opus Dei). Lido todo o programa — são 24 mil palavras — confirma-se a inquietação. Diz nove vezes que é um partido da “nova direita” e da “direita moderna”, uma vez que é de “direita identitária” e oito vezes que são “conservadores liberais”.

Percebe-se o esforço. Também Marine Le Pen está sempre a dizer que a “Frente Nacional não é um partido de extrema-direita” — em 2013 chegou a ameaçar processar quem o classificasse assim. E já em 1996 o seu pai, Jean-Marie Le Pen, fez a mesma ameaça e inundou as redacções com a sua definição de extrema-direita: “Recusa da democracia e de eleições, apelo à violência, racismo e vontade de instalar um partido único.”

Há dezenas de definições para “extrema-direita”, mas os cientistas políticos costumam concordar que recusar a democracia e defender um partido único tem outro nome: fascismo.

Como Marine Le Pen, o senhor Ventura não é fascista. Já não se usa. André Ventura é outra coisa: é de extrema-direita.

Ao ler aqui no PÚBLICO a entrevista a Francisco Mendes da Silva, da comissão política nacional do CDS, reparei como evitou dizer “extrema-direita”. Referindo-se a um candidato a presidente do partido, disse que “Abel Matos Santos representa em Portugal as tendências da direita que vêm lá de fora, Le Pen, Bolsonaro...”

— Mais conservadoras e à direita?
— Conservador sou eu.
— Mais à direita?
— Uma direita iliberal, digamos assim.

Como se ao não dizermos “extrema-direita” ninguém reparasse e ninguém votasse neles. André Ventura fez o seu caminho, com a ajuda de Pedro Passos Coelho, do PSD e da televisão do Correio da Manhã, e chegou ao Parlamento. Não vale a pena fazer de conta. Ventura é populista? Podemos dizer que sim. Mas se nos anos 1980 Cavaco Silva tinha um discurso “nacional e populista”, como é hoje consensual, dizer que Ventura é “populista” é pouco. Por alguma razão, quando foi a Madrid, teve uma reunião com o Vox, o partido de extrema-direita espanhol, e não com o Partido Popular. Do mesmo modo que no programa do Chega diz que a União Europeia está tomada pelo “marxismo cultural” e todas as suas propostas são de aproximação ao Grupo de Visegrado, onde está a Hungria, de Viktor Orbán, símbolo da eufemística nova “direita iliberal”.

Qual é a diferença entre ultradireita, direita radical ou extrema-direita? Quando falamos, temos de usar palavras que os outros entendam. E o que está escrito no programa do Chega é claro. O Chega diz que a “família natural” é a “garantia de identidade civilizacional” e “apenas nela pode residir a certeza de que o Homem não regressa à selva”. O Chega quer dar cheques-família para incentivar a natalidade, mas só quando “ambos os pais tenham naturalidade e nacionalidade portuguesa”. Quer a reversão “imediata” do “suicidário Pacto para as Migrações”. Defende “uma política comum de defesa contra a invasão maciça dos países do sul do mediterrâneo”. Quer “um novo tratado europeu na linha defendida pelo Grupo Visegrado em termos de fronteiras, soberania nacional e respeito pelos valores da cultura europeia”. Descreve Portugal como um país com “uma insegurança crónica” e “assume-se, sem complexos, como um partido ‘securitário’”. Quer a prisão perpétua. Quer a “retirada de todos os privilégios nas prisões para [os] imigrantes ilegais”. Quer o fim “do ‘crime de ódio’”. “Qualquer imigrante que tenha entrado ilegalmente em Portugal estará incapacitado, para o resto da vida, para legalizar a sua situação.” Quer “abolir as autorizações de residência para ‘protecção humanitária’”. Quer “estabelecer uma lista de países seguros na origem”. Não quer que “os refugiados [possam] obter nacionalidade portuguesa nem residência enquanto o seu país de origem se mantiver em guerra.” E não quer que o Estado atribua “habitação social a estrangeiros — imigrantes, migrantes ou refugiados”.

Não é preciso ler o programa do Chega nas entrelinhas. É só preciso ler todas as linhas. No fim, é evidente que as ideias do Chega são aquilo a que se convencionou chamar extrema-direita.