Kateryna Shepeliuk, 29 anos, é empreendedora social.
Foto
Kateryna Shepeliuk, 29 anos, é empreendedora social. Nelson Garrido

Kateryna criou uma rede de voluntários que ensina inglês a crianças em África — a partir do sofá

Kateryna Shepeliuk, 29 anos, pôs jovens a ensinar inglês a crianças no Uganda e na Serra Leoa, através do WhatsApp e do Skype, “a mesma tecnologia que utilizamos todos os dias”. A co-fundadora do projecto Gifted English é um das oradoras na conferência do Porto Tech Hub, a 11 de Outubro.

Kateryna desbloqueia o telemóvel e começa a fazer scroll por uma longa conversa no WhatsApp. Estão lá as mensagens de voz e as dezenas de fotografias, mas aquele não é um grupo de família – também os terá – ou de amigos a tentarem planear um jantar. Ali está a desenrolar-se uma aula de inglês. Kateryna Shepeliuk, 29 anos, é a professora. Do outro lado, três crianças no Uganda repetem para um telemóvel o que ela lhes pede para dizer: yellow, small, big. Em Portugal, ela ouve e corrige.

Foi uma das primeiras aulas do Gifted English, um projecto onde voluntários dão aulas remotas de inglês a crianças e jovens – maioritariamente órfãos e com fraco acesso a educação – no Uganda e, mais recentemente, na Serra Leoa. Kateryna, empreendedora social a viver na Figueira da Foz há dois anos, nunca visitou nenhum dos países africanos onde implementou o projecto. “Podes fazer-me uma pergunta justa: sem conheceres a realidade, como é que podes mudar alguma coisa?” Não era uma das perguntas que tínhamos alinhadas, mas Kateryna tem a resposta pronta. “Uso a tecnologia que utilizamos todos os dias. Peço aos meus colegas no local que me enviem vídeos e fotografias do mercado, da escola, das ruas, das casas, do hospital.”

Adolf Saint, co-fundador do projecto, é um desses colegas e foi ele quem entrou em contacto com a também fundadora da Youth Line, uma organização não-governamental com sedes em seis países europeus. “Um dia usei uma [ligação] VPN para entrar no Facebook [bloqueado no território chinês] e tinha muitas mensagens do Adolf. O inglês era terrível, mas ele estava muito empenhado”, conta Kateryna, que na altura se encontrava na China.

O ugandês de 28 anos estava à procura de apoios para a associação dedicada aos jovens que lidera no Uganda. “Eu disse-lhe que até conseguirmos falar a mesma língua, não nos íamos conseguir entender. Então comecei a dar-lhe aulas rápidas de inglês. Enviava-lhe vídeos do YouTube sobre diferentes temas, documentos sobre como escrever mensagens formais... Lembrei-me disto há pouco tempo: o que fazemos agora foi o que eu fiz primeiro com ele” “Saber compreender e comunicar em inglês é uma forma de aceder a educação através de e-learning.”

Katya, abreviatura com que se gosta de apresentar, publicou no Facebook um vídeo “à procura de pessoas que falassem inglês, nativos ou não”, e uma campanha de angariação de fundos para Adolf comprar um computador, um router e pagar a Internet no Uganda. Angariou 500 euros e o WhatsApp foi substituído por chamadas de vídeo no Skype, num ecrã maior, duas vezes por semana.

“Com a falta de transportes, Adolf caminhava o dia inteiro para reunir os vários grupos de crianças.” Agora, já tem a ajuda de outros colaboradores. Através das redes sociais, Kateryna reunia os professores. Têm 60 alunos no Uganda e na Serra Leoa, 12 “professores” voluntários na Europa, Califórnia, Austrália e uma equipa remunerada de coordenadores nos dois países africanos, na Bósnia, em Portugal e na Roménia.

Kateryna é uma das oradoras na quinta conferência do Porto Tech Hub, que vai decorrer a 11 de Outubro, na Alfândega. Vai mostrar como “tecnologia básica” e “pessoas normais” sentadas no sofá de casa, com o telemóvel onde mexem a toda hora, podem criar “mudanças sociais e culturais inacreditáveis”.

Tinha 18 anos quando se candidatou ao primeiro fundo municipal para um projecto social. Queria construir um pequeno escritório para dar aulas de arte às crianças órfãs com vários graus de deficiências a que a ONG fundada pelos pais prestava apoio. “Eu era voluntária lá, brincava com as crianças e ajudava. Mas depois percebi que era preciso dinheiro. Comecei a aprender sobre angariação de dinheiro, crowdfunding, como me candidatar a fundos.”

PÚBLICO -
Kateryna Shepeliuk, 29 anos, co-fundou o Gifted English. Nelson Garrido

Em 2014, antes de criar a Gifted English, Katia fundou a Youth Line, uma organização não-governamental que dinamiza intercâmbios e projectos de educação não formal para jovens, apoiados com fundos do Erasmus +. Já tem sedes em Portugal, na Letónia, Alemanha, Holanda, Grécia e Ucrânia. O último intercâmbio realizou-se em Riga, capital letã, em Setembro, com actividades em grupo que exploravam as possibilidades e desafios da digitalização.

Em Portugal, onde vive desde que o filho de nove anos iniciou a escola primária, começou a organizar conferências “não convencionais” sobre “literacia financeira e psicologia do dinheiro” (a próxima é em Aveiro, a 6 de Novembro). Chamou-lhes Funny Money.

Nesta semana, Kateryna enviou a candidatura para o próximo passo do Gifted English: “aulas de inglês para crianças na Europa sem acesso a educação”. 

Em Rhoima, cidade ugandesa onde o projecto arrancou, está a planear reunir-se com a câmara para encontrar um edifício para transformar numa “escola online”, não só de inglês. E está a angariar dinheiro para comprar um microondas. “Nós não podemos mudar o passado destas crianças, mas podemos ajudar a criar novas memórias.” No site do projecto, é possível contribuir para uma festa de aniversário para cada um dos 40 alunos no Uganda. “Custa 30 euros pagar o almoço a todos, presente, balões e bolo”, calculou, com a ajuda de Adolf, que lhe disse que “na região não tinham o conceito de bolo de aniversário”. Quando tiver um microondas, vai mostrar-lhes como fazer um muffin de chocolate.