PSP mobiliza oito mil polícias para garantir “segurança e serenidade” nas eleições

Autoridades terão como objectivo a manutenção da ordem pública durante e após o voto eleitoral. Distribuição de boletins pelas assembleias de voto e protecção de locais onde irá decorrer trabalho de escrutínio eleitoral também também serão controlados pelos agentes.

Foto
Paulo Pimenta / ARQUIVO

A PSP mobilizou oito mil polícias para garantir que o processo eleitoral no domingo decorra com “segurança e serenidade”, anunciou este sábado a direcção nacional da Polícia de Segurança Pública.

“Segurança acto eleitoral 6 de Outubro 2019” é o nome da operação montada pela polícia a nível nacional que visa “acautelar a fluidez do trânsito, garantir a segurança de pessoas e bens, bem como prevenir a ordem e tranquilidade pública”, adianta a PSP em comunicado.

No âmbito desta operação, a PSP irá ter “especial atenção” ao eventual aumento do volume de trânsito, particularmente nas últimas horas do período de votação, “à segurança de pontos sensíveis, com prioridade para os meios de telecomunicações e infra-estruturas críticas fundamentais”.

Os agentes da PSP estarão também empenhados na “manutenção da ordem pública durante e após o ato eleitoral” e na distribuição dos boletins pelas assembleias de voto à sua responsabilidade no Continente e a sua recolha posterior e entrega nas Câmaras Municipais.

Nas Regiões Autónomas, a PSP é responsável por toda a distribuição e recolha dos boletins de voto de todas as assembleias de voto, refere-se no comunicado.

A PSP irá assegurar também a “segurança global das instalações” da Direcção dos Serviços das Tecnologias de Informação e Comunicação da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (SGMAI) e do local onde vão decorrer os trabalhos de escrutínio do ato eleitoral.

Mais de 10,8 milhões de eleitores recenseados no território nacional e no estrangeiro são chamados no domingo às urnas para escolher a constituição da Assembleia da República na próxima legislatura e de onde sairá o novo Governo.

Os portugueses vão eleger 230 deputados, divididos por 22 círculos (18 no Continente, dois nas regiões autónomas e círculos da emigração – Europa e Fora da Europa).