Perfil

Joacine Katar Moreira: uma activista negra a caminho do Parlamento?

Doutorada em Estudos Africanos, Joacine Katar Moreira deixou a Guiné-Bissau e veio viver para Portugal para um colégio interno quando tinha oito anos. É cabeça-de-lista do Livre por Lisboa e poderá ser eleita deputada no próximo domingo.

Joacine Katar Moreira
Foto
Joacine Katar Moreira Nuno Ferreira Santos

Quando era pequena, Joacine Katar Moreira era conhecida como “la chica ente” porque, diz a própria, era tudo o que acabava em “ente”: impertinente, insolente, inconsequente. De acordo com os números da mais recente sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica Portuguesa, feita para o PÚBLICO e para a RTP, “la chica ente” pode chegar ao Parlamento depois das eleições de Outubro.

A cabeça-de-lista do Livre por Lisboa nasceu na Guiné-Bissau há 37 anos e veio para Portugal com oito. Na Guiné foi educada pela avó porque os pais eram muito jovens. Foi a avó quem a enviou para um colégio interno em Mafra, afastando-a da instabilidade política que se vivia na Guiné.

O colégio que frequentou era das espanholas Irmãs Dominicanas da Anunciata e Joacine não se identificava com as restantes meninas, muitas delas retiradas às famílias em contextos de dificuldades económicas ou maus-tratos, o que não era o seu caso, explicou em entrevista ao Diário de Notícias. Joacine conta que gostava muito de ir à escola, mas, quando chegou a Portugal, foi colocada de novo no segundo ano porque era o que se fazia habitualmente às crianças de origem africana. Esta contrariedade motivou-a a esforçar-se nos estudos, o que não a impedia de passar “o tempo todo a questionar tudo”.

Acabou por entrar na universidade. Para pagar a licenciatura trabalhou em supermercados e em hotéis. Licenciou-se em História Moderna e Contemporânea, tirou um mestrado em Estudos do Desenvolvimento e doutorou-se em Estudos Africanos no ISCTE, onde é investigadora do Centro de Estudos Internacionais. 

A primeira vez que concorreu pelo Livre foi nas legislativas de 2015. Ocupava o 22º lugar na lista de Lisboa, o que acabou por lhe garantir uma certa “invisibilidade”. Em 2019, tornou-se na primeira mulher negra a encabeçar a lista de um partido a eleições legislativas. Foi convidada para entrevistas e programas de televisão e foi estrela nas acções de rua. A gaguez que a acompanha desde pequena não a inibiu. No colégio, essa condição também nunca a impediu de apresentar as festas de Natal ou de ler em voz alta sempre que era necessário.

Gaguez não é mental

Foi a partir do nascimento da filha que Joacine percebeu que não podia tentar esconder ou disfarçar a situação. “Eu gaguejo quando falo, não gaguejo quando penso. O que é um risco enorme na Assembleia são os indivíduos que estão lá e que gaguejam quando pensam”, disse recentemente no programa Gente Que Não Sabe Estar, da TVI, apresentado por Ricardo Araújo Pereira.

Joacine Katar Moreira fundou e é presidente do INMUNE - Instituto da Mulher Negra em Portugal, que nasceu em 2018. Descreve-o como uma “entidade anti-racista” e “feminista interseccional” que quer intervir na sociedade e produzir conhecimento sobre as experiências das mulheres negras. A criação de quotas étnico-raciais é uma das medidas do Livre, assim como a recolha de dados étnico-raciais sobre a população nos censos e a alteração da lei da nacionalidade, de forma a que todos os cidadãos que nasçam em Portugal sejam automaticamente portugueses.

A ideia de regressar à Guiné passou-lhe pela cabeça, mas por pouco tempo, mas Joacine sente que Portugal é que é a sua terra e disse-o em entrevista ao jornal i. A primeira viagem que fez foi precisamente à terra natal para visitar a avó, com dinheiro que poupou quando ainda estava no último ano da licenciatura. A sondagem desta semana vem dar-lhe a expectativa em relação a uma viagem futura: a caminho do Palácio de São Bento.