Ípsilon

Crítica

O homem transparente

Joaquin Phoenix não transporta o filme de Todd Phillips; ele é o filme, transformando um vilão de BD num niilista Nietzscheano numa Nova Iorque saída dos clássicos dos anos 1970.