Mais de cinco mil pessoas pedem reforma aos 60 anos para professores primários e do pré-escolar

Estes docentes possuem uma carga lectiva de 25 horas semanais contra as 22 exigidas aos docentes dos restantes ciclos de ensino.

Foto
Francisco Romao Pereira

Mais de 5500 pessoas já assinaram uma petição na Internet que pede que seja possível aos professores do primeiro ciclo do ensino básico (os antigos professores primários) e aos docentes do pré-escolar reformarem-se aos 60 anos, se tiverem pelo menos 30 anos de serviço. As assinaturas estão a ser recolhidas no site Petição Pública desde a semana passada e até às 10h30 desta segunda-feira tinham subscrito o texto 5569 pessoas.

A petição pede “um regime especial de aposentação para educadores de infância e professores do primeiro ciclo do ensino básico”, argumentando que a profissão de docente é “uma das que está reconhecida e comprovada de desgaste rápido”. “No entanto, os educadores de infância e os docentes do primeiro ensino básico, são os únicos dentro da carreira docente que não têm redução da sua componente lectiva”, critica-se.

Não é a primeira vez que uma petição destas é lançada, mas esta surge, segundo destaca o blog DeAr Lindo, num momento em que “pela terceira vez o primeiro-ministro se mostra sensível a este tema”, tendo defendido que é necessário compensar os docentes em regime de monodocência pela sua carga horária ao longo da carreira.

Estes professores possuem uma carga lectiva de 25 horas semanais contra as 22 exigidas aos docentes dos restantes ciclos de ensino. Por outro lado a definição de hora lectiva é diferente, sendo no pré-escolar e no antigo ensino primário de 60 minutos e nos restantes níveis de ensino de 50 ou 45 minutos.