PAN: resistências no Porto por causa de carne de vaca

Presidente da CAP disse que “quem é contra a carne de vaca são pessoas que nascem, vivem, trabalham e se divertem em ambiente urbano. É “negacionista”, lamentou André Silva.

Foto
Estela Silva/Lusa

O PAN não podia passar pelo Porto sem o habitual teste da arruada em Santa Catarina, mas passou à tangente. Muitas foram as pessoas que recusaram o panfleto que André Silva lhes queria entregar. “Gosto mais de carne de vaca”, disse mesmo um transeunte logo no arranque, na Praça da Batalha.

Foi o tema do dia na campanha, que começou com o ataque do presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) ao partido que defende a redução do consumo de proteína animal, em particular de bovinos. “Não sou periquito nem tubo de ensaio”, disse Eduardo Oliveira e Sousa ao jornal i, acrescentando que “quem é contra a carne de vaca são pessoas que nascem, vivem, trabalham e se divertem em ambiente urbano. É o mundo da noite e da droga”.

“O senhor presidente da CAP ainda não chegou ao séc. XXI e tem lamentavelmente um discurso negacionista”, respondeu André Silva. “É lamentável que alguém que representa um sector económico tão importante se expresse dessa forma”, negando “toda a evidência científica”. “Com as alterações climáticas em curso, se não adaptarmos a forma como estamos a produzir alimentos, vamos deixar de ter disponibilidade hídrica e solos férteis” para a agricultura, acrescentou.

De manhã, em Gaia, confrontado com a questão do aeroporto do Montijo, André Silva prometeu que a decisão nunca terá o apoio do PAN: “A construção do aeroporto do Montijo coloca em causa o habitat natural do estuário do Tejo, coloca em causa cerca de três milhões de aves que lá habitam ou que lá passam, não sabemos o impacto rodoviário nas duas pontes sobre o Tejo e sobre as reais consequências sobre a própria população do Montijo”.

O engenheiro diagnosticou que o projecto está mal estudado e que os “impactos ambientais não estão completamente acautelados”. “Aeroporto do Montijo jamais?”- quis saber o homem que levantara a questão. “Se depender do PAN, jamais”, garantiu André Silva.