Opinião

Trump em Tancos

“Quando o inverosímil não tem limites”, “a bomba atómica do ridículo” ameaça explodir. Quer se trate do Presidente dos Estados Unidos ou das instituições militares e políticas portuguesas.

A relação entre Trump e Tancos é evidentemente absurda e, no entanto, há coincidências que fazem pensar. Será que vivemos num mundo onde os códigos de conduta políticos ou éticos correm o risco de ser reduzidos a comportamentos absolutamente irresponsáveis, inverosímeis e grotescos? Como se explica uma tal deriva e que consequências devemos temer? Não será preocupante que essas coincidências sejam o reflexo de acontecimentos passados que tendem a repetir-se e amplificar-se?