João Vieira saiu com prata da “marcha do inferno”

Primeira medalha portuguesa em Doha veio do atleta mais veterano e na prova mais longa, os 50km marcha. Inês Henriques desistiu.

Caminhada de corrida de 50 quilômetros
Fotogaleria
Corrida de longa distância
Fotogaleria
DR
Maratona
Fotogaleria
O japonês Suzuki, vencedor da prova masculina DR
Ultramaratona
Fotogaleria
Inês Henriques em acção DR
800 metros
Fotogaleria
Liang Rui, a chinesa que conquistou a prova feminina DR

A prova dos 50km marcha já é um desafio brutal que testa os limites dos atletas que nela participam. E ainda mais brutal se torna quando é disputada nas condições em que se disputou nesta madrugada em Doha, a fechar o segundo dia dos Mundiais de atletismo, com uma temperatura acima dos 30 graus e um nível de humidade impróprios para provas super-longas. Antes de dar os primeiros passos na marginal de Doha, João Vieira chamou a estes 50km a “marcha do inferno”. Mas o atleta de 43 anos, o mais veterano entre os portugueses que foram ao Qatar, foi dos que sobreviveram com mais brilhantismo, conquistando a medalha de prata após mais de quatro horas a marchar, e não muito longe de Yusuke Suzuki, o japonês que liderou a prova desde os primeiros metros.

Foi uma medalha histórica para o veterano atleta do Sporting na sua 11.ª participação em Mundiais. Com esta prata, Vieira tornou-se no medalhado mais velho da história dos Mundiais de atletismo, ele que se estreou em Sevilha 1999 e que já tinha conquistado uma medalha de bronze em Moscovo 2013 na prova de 20km, um lugar que só lhe foi atribuído em Março deste ano, depois da desclassificação do vencedor, o russo Aleksandr Ivanov.

PÚBLICO -
Foto

Com toda a sua experiência, Vieira não foi logo atrás dos asiáticos que se colocaram na frente da prova desde cedo. Suzuki rapidamente se isolou na frente, deixando o pelotão a lutar pelas duas restantes posições de pódio. O português foi fazendo uma prova em crescendo: aos 5km era apenas 21.º; aos 25km, já tinha estabilizado no 13.º lugar. Passou aos 30km em sétimo e, aos 40km, já estava em terceiro, tendo deixado para trás um dos chineses, Luo Yandong.

Não satisfeito, ainda foi à caça do outro marchador chinês que estava à sua frente, Wenbin Niu, que já estava em perda. Na última volta, Vieira ainda conseguiu ter Suzuki na sua mira - o japonês abrandou várias vezes nos quilómetros finais - mas a distância já era demasiada para o português recuperar.

Suzuki, recordista mundial dos 20km, terminou com 4h04m20s, com Vieira a cortar a meta 39 segundos depois (4h04m59s). O bronze foi para outro atleta que recuperou muito nas últimas voltas, o canadiano Evan Dunfee (4h05m02s).

“Foi muito bom, uma prova de grande nível. Foi horrível, mas adaptei-me bem. Foi uma medalha de carreira desportiva e fica marcada para muitos anos”, desabafou no final João Vieira, que já tem um objectivo na cabeça, a última aparição olímpica desta prova: “Próximo passo, Tóquio 2020.”

Um testemunho da brutalidade que foi esta prova dos 50km marcha foi a desistência de 11 dos 38 atletas que alinharam à partida - e quatro foram desclassificados. Um deles foi Yohann Diniz, o luso-francês que defendia em Doha o título de campeão mundial conquistado em Londres 2017.

Outra das vítimas da brutal corrida em Doha foi Inês Henriques, que tinha sido a primeira campeã mundial da distância em Londres 2017. A marchadora de Rio Maior chegou a andar com as primeiras durante algumas dezenas de quilómetros, mas acabou por desistir antes dos 40km.

A outra representante nacional na prova, Mara Ribeiro, concluiu o percurso em 4h58m44s, no 15.º lugar.

Na segunda vez em que as mulheres fizeram 50km marcha em Mundiais, o triunfo coube à chinesa Liang Rui (4h23m26s), seguida da sua compatriota Li Maocuo. A italiana Eleanora Giorgi completou o pódio, com a marca de 4h29m13s.

Sugerir correcção