Adriano Miranda
Foto
Adriano Miranda

Rendas altas, quartos velhos, a casa às costas. A odisseia dos universitários para viver em Lisboa

Todos os anos chegam a Lisboa milhares de estudantes vindos de todo o país. Um quarto custa entre 300 e 400 euros, em média. Como fazem para encontrar casas dignas a preços justos?

Anabela (prefere usar um nome fictício, por temer represálias do senhorio) está a estudar Engenharia Biológica, no Instituto Superior Técnico. Já soma quatro anos na capital. Mudou de casa várias vezes: nos primeiros meses viveu numa república (como “último recurso”); mais tarde, mudou-se para outro apartamento “com buracos no chão”; e, por fim, instalou-se num quarto cuja renda sobe ano após ano. Teresa tem pela frente o seu primeiro ano em Lisboa: está no curso de Economia na Universidade Católica de Lisboa e começou a procurar quarto durante o Verão — conseguiu encontrá-lo, mas ainda está a tentar ter vaga numa residência privada. As histórias de Anabela e Teresa são duas faces da procura por alojamento para estudantes em Lisboa.

Quando Anabela chegou à capital, vinda de São Miguel, nos Açores, para estudar no Técnico, aterrou numa república que encontrou numa pesquisa pelo Facebook, ainda antes de vir para Lisboa. “Dividia o quarto com uma rapariga, coisa que nunca tinha feito em toda a vida, e dividia a casa com mais 13 rapazes.” Foi o mais barato e “com mais comodidades” que conseguiu arranjar: pagava 270 euros e tinha direito a limpeza diária (que às vezes não era eficiente), jantar e pequeno-almoço ao sábado (“pão e leite”).

A experiência não a convenceu. “Pouco silêncio, não havia espaço suficiente para tantas pessoas, demasiadas visitas, festas... Muita falta de privacidade. Uma casa de banho a dividir por tanta gente é muito complicado”, refere, numa entrevista por escrito ao P3. Aguentou um semestre. Depois, mudou-se para a casa de um amigo, um T7. Ficou um ano por lá e acabou por sair, “praticamente pelos mesmos motivos”. Descreve a casa como “muito antiga” e com “uma cozinha minúscula para tanta gente”. Pagava 300 euros por um quarto “com buracos no chão”, a 20 minutos da faculdade.

Actualmente, vive num T4, onde já morava uma amiga. Quando foi para lá viver já considerava a renda bastante elevada “comparativamente ao que havia”, mas “todos os anos” o preço tem subido — neste momento paga 375 euros “por um quarto numa casa que não está remodelada”. A renda engole mais de metade do seu orçamento mensal. “Apesar de ser cara para mim, poupo em transportes e alimentação”, refere.

Na altura em que se candidatou à faculdade só colocou opções em Lisboa, mas hoje talvez tivesse pensado melhor “pois teria melhor qualidade de vida” noutras cidades. No entanto, não faz planos para trocar o centro pela periferia: “O gasto de tempo em transportes em Lisboa é muito elevado. O meu tempo livre já é pouco e ia acabar por ficar muito isolada dos meus colegas e amigos. Já estou cá sem família, estar perto dos meus amigos é um ‘aconchego’”. O preço da habitação não a faz, no entanto, pensar em desistir de estudar. “Quero acabar o meu curso e prefiro ter de ir trabalhar e demorar mais anos [a concluir a formação] do que desistir… Mas a situação está a ficar complicada, para mim e para todos.”

“Em Coimbra, pagam metade do que eu pago”

Teresa Rodrigues trocou Engenharia Física e o seu Porto natal pelo curso de Economia em Lisboa. Escolheu a Católica para a sua segunda tentativa no ensino superior, depois de não ter ficado deslumbrada com as engenharias. Este é o seu primeiro ano na capital. Assim que teve a certeza que entraria no curso que queria — como escolheu uma universidade privada, ficou a sabê-lo meses antes de se conhecerem os resultados do concurso nacional de acesso — começou a procurar casas.

PÚBLICO -
Foto
Teresa Rodrigues tem 19 anos e estuda Economia na Católica, em Lisboa Adriano Miranda

Em Julho, a jovem de 19 anos usou a Uniplaces, uma plataforma especializada na procura de alojamento para estudantes, e conseguiu arranjar um quarto numa casa que divide com mais três estudantes da mesma universidade. Por ele, paga cerca de 550 euros, um preço em linha com a média dos apartamentos que encontrou e mais gostou. “Os preços eram bastante elevados — é Lisboa, há imensa procura —, mas a oferta que existe é toda [na mesma linha de preços], até as residências [privadas] não são nada baratas.”

No entanto, confessa em conversa com o P3, ainda não está num apartamento que lhe encha as medidas: “Mal surja uma vaga na residência já pedi para trocar.” A residência privada fica nas Laranjeiras (a dez minutos da universidade) e um quarto “não custa abaixo de 400 euros”. A média de preços “deve andar à volta dos 700 euros”. A procura é tanta que, em Julho, já não conseguiu vaga. Teresa mostra-se irredutível na decisão de ir para aquela residência: ali há “mais pessoas”, que talvez a façam sentir "mais acompanhada”. “Posso fazer a minha própria vida, mas depois há pessoas na mesma situação a viver no quarto ao lado”, explica.

Não se sente ameaçada pelos preços da capital: “São os meus pais que decidem, sou um bocado privilegiada nesse aspecto. Mas sei que eles estão a fazer um esforço maior do que se estivesse a estudar noutra cidade, porque os meus amigos em Coimbra pagam metade do que eu pago.”

Quanto custam as opções para quem chega?

Para os estudantes que precisam de alojamento abre-se um leque de opções: há quem procure quartos e casas, como Anabela, e quem fique em casa de familiares, repúblicas, residências ou até hostels e pensões. De acordo com os dados do OLX, um dos sites mais usados para procura de casa e quartos, Lisboa é o distrito com mais anúncios imobiliários e maior procura. Naquela plataforma, um quarto tem o preço médio de 345 euros.

Já os dados da Uniplaces indicam que as zonas mais procuradas são Arroios (onde um quarto numa casa partilhada pode custar 379,31 euros, “um aumento de 6,8% face a 2018”), Alameda (416,1 euros) e Entrecampos (422,9 euros). “Lisboa apresenta um valor médio de arrendamento de 399,56 euros, uma subida de 7,6% em relação a igual período de 2018”, lê-se no comunicado divulgado este mês pelo site de arrendamento.

Para os estudantes que não conseguem pagar um quarto, as residências universitárias podem ser uma opção. Em Lisboa, o número de camas já aumentou — em 2017/2018 havia 1727 camas em residências no distrito de Lisboa, de acordo com os números da Direcção-Geral do Ensino Superior; em 2019 são 1913. O preço destes quartos varia consoante os rendimentos do estudante. Na Universidade de Lisboa, que tem 1324 camas espalhadas por 18 residências (em Lisboa e uma na Cruz Quebrada), o quarto mais caro fica a 180 euros por mês (220 euros se for um quarto individual na nova residência da Ajuda). Na Nova, por exemplo, na residência Alfredo de Sousa em Campolide (uma das três da universidade), o quarto individual com casa de banho fica a 395 euros — um quarto duplo com WC partilhado fica a 212 euros.

Federação Académica pede “medidas urgentes”

A presidente da Federação Académica de Lisboa (FAL) considera que o aumento do número de camas é bom, mas insuficiente. “Estamos a falar de construção ou reabilitação de edificado, que demora muitos anos e nós precisamos de medidas urgentes”, resume Sofia Escária.

E o que propõe a FAL? A atribuição de benefícios fiscais aos senhorios que arrendem a estudantes, a isenção dos estudantes que “não têm outra opção senão a de ficarem em alojamento local” do pagamento da taxa turística (dois euros por noite no “máximo de sete noites") ou a partilha de casa entre estudantes e idosos em situação de isolamento — um projecto que tem corrido bem “em Braga e no Porto”, mas que tem sofrido resistência em Lisboa por parte dos idosos.

Para Sofia Escária, não é difícil atribuir uma parte da culpa pela falta de camas ao turismo: “Temos casos de estudantes que foram despejados de casas para arrendar a turistas”, conta. O turismo “está a roubar camas aos estudantes e como não existe regulamentação de mercado faz com que o valor das rendas suba ainda mais”.