Jörg Berger teria evitado o naufrágio do Titanic

Teve de abandonar a família, viajar clandestino, e escapar à perseguição política e às tentativas de assassinato para tornar-se num treinador com aura de especialista em salvar clubes da despromoção.

Foto
Jörg Berger DR

Mais do que um tradicional “bombeiro”, aquele treinador por quem os clubes chamam quando a situação é desesperada, Jörg Berger ficou na história do futebol como um “milagreiro”. Na verdadeira acepção da palavra: em mais do que uma ocasião logrou salvar uma equipa da descida de divisão, conduzindo também clubes sem ambições às competições europeias. A aura deste técnico era tal que havia até quem dissesse que ele teria evitado o naufrágio do Titanic – uma tarefa que certamente não assustaria um homem que teve de deixar a família para trás e fugir da Alemanha de Leste para poder saborear a liberdade de fazer escolhas, que sobreviveu a uma tentativa de envenenamento, mas que em 2010 perdeu a luta contra o cancro.