Sul, a nova série da RTP1, é uma carta de amor noir à Lisboa da crise e da troika

A morte de uma mulher desencadeia uma investigação e memórias da austeridade. Neste policial melancólico realizado por Ivo M. Ferreira e escrito por Edgar Medina, Guilherme Mendonça e Rui Cardoso Martins, Lisboa é como Alfama (ou Xabregas): linda.

Foto
Adriano Luz é o inspector Humberto da PJ DR

Sul é uma série feliz sobre um país triste – ou melhor, é um feliz acontecimento na televisão portuguesa sobre uma Lisboa melancólica, noir, em plena crise. Na madrugada em que chega a equipa da troika a Portugal, uma rapariga é encontrada morta no Tejo. “Mais uma que não sobreviveu à crise”, atira um polícia no Cais do Sodré. A austeridade do desemprego, dos despejos e das greves é o pano de fundo para um policial sobre mulheres mortas (e morrerão mais, dead girls à la Laura Palmer), uma Polícia Judiciária gasta e banqueiros escorregadios. A nova série da RTP1 estreia-se este sábado já com segunda temporada e spin off à vista – o ladrão parkour Matilha, interpretado pelo luminoso Afonso Pimentel, vai roubar-nos outra vez.