Greta Thunberg
Foto
Greta Thunberg EPA/MICHAEL NAGLE

Greta Thunberg mostra-se perplexa com “fomentadores de ódio” que a atacam

A activista sueca tem recebido várias críticas ao longo desta semana e responde: “Honestamente, não percebo por que é que há adultos que escolhem passar o seu tempo a gozar e ameaçar crianças e adolescentes”.

A jovem sueca Greta Thunberg declarou nesta quarta-feira a sua perplexidade face aos ataques de quem tem sido alvo. A maioria desses ataques foi feita por adultos, que recorrem “a todo o tipo de mentiras e teorias de conspiração”.

Numa publicação no Facebook, a activista escreveu que os atacantes “parece que ultrapassam todas as marcas para desviarem as atenções, uma vez que estão desesperados em impedir que se fale da crise climática e ecológica”.

A activista sueca, que teceu fortíssimas críticas aos dirigentes mundiais na assembleia geral da Organização das Nações Unidas, pela passividade política na resposta ao aquecimento global, criticou os “fomentadores de ódio”, que estão “mais activos do que nunca”. No seu caso, Thunberg detalhou: “Criticam-me, a minha aparência, a minha roupa, o meu comportamento e a minha diferença”.

Mas contrapõe: “Ser diferente não é uma doença e a ciência não é uma opinião – são factos”.

De forma directa, considerou: “Honestamente, não percebo por que é que há adultos que escolhem passar o seu tempo a gozar e ameaçar crianças e adolescentes, por promoverem, a ciência, quando poderiam estar a fazer alguma coisa boa, em vez disso. Acho que eles se sentem ameaçados por nós”.

A sua mensagem terminou com um apelo à participação nas várias acções da greve climática mundial previstas para sexta-feira: “Mas o mundo está a acordar. Vemo-nos nas ruas nesta sexta-feira”. 

Para esta sexta-feira, 27 de Setembro, está convocada uma nova greve pelo clima. As reivindicações são as mesmas das de outras greves: entre elas, conta-se a intenção de “cortar 50% das emissões de gases com efeito de estufa até 2030”. No mesmo dia, 150 países de todo o mundo deverão aderir à Greve Climática Global — e Portugal é um deles.