Torne-se perito Entrevista

Chega pretende eliminar cargo de primeiro-ministro

A adopção de um regime presidencial é uma das medidas propostas pelo partido liderado por André Ventura, que também defende a redução do número de deputados para 100.

André Ventura, líder do Chega
Foto
André Ventura, líder do Chega Nuno Ferreira Santos

André Ventura, líder do Chega, explica ao PÚBLICO as alterações que defende para o regime e as vantagens de eliminar o cargo de primeiro-ministro.

Extinguindo o cargo de primeiro-ministro, como seria a governação do país?
A nossa proposta passa por uma alteração de regime no sentido de assumir uma lógica de presidencialismo. A figura orientadora da política geral do Estado passaria a ser o Presidente da República. Temos hoje um sistema que é uma das máquinas mais caras para o contribuinte e ainda por cima é um sistema confuso, em que o Presidente é o chefe de Estado mas não é o chefe de Governo. É um sistema de distribuição de poderes que não é nem uma coisa nem outra. Elegemos um Presidente da República com uma legitimidade reforçada, por eleição directa e maioritária, mas depois é praticamente um corta-fitas. Elegemos um Governo por via indirecta, por via parlamentar que nem sempre expressa a vontade directa do povo, como se viu com a formação da “geringonça”. A nossa lógica passa por uma reforma total do Estado, assumindo um presidencialismo com muito menos custos para o contribuinte. Daí a extinção da figura do primeiro-ministro, que será substituído, na condução geral do país, pelo Presidente da República e depois pelo Governo com as pastas, como acontece nos sistemas presidenciais.

Que vantagens vê nessa opção?
A primeira vantagem é ser muito mais barato do que um sistema semipresidencial. É também muito mais claro. As pessoas sabem que estão a votar naquela que será a figura mais alta do Estado e do Governo. O que acontece hoje é que os portugueses votam de cinco em cinco anos para eleições presidenciais, por votação directa e universal, sempre superior a 50%. Estamos a falar da maior legitimidade possível da democracia e depois (...) só serve para estar em apresentações, fazer apelos de sofá para o Governo e para as instituições e não serve para mais nada. O sistema presidencial tem a vantagem de ser mais barato, mais claro e mais transparente na distribuição de poder e de permitir uma escolha directa dos cidadãos e, portanto, ser também mais democrático. 

Quantos mandatos teria o chefe de Governo e de Estado?
Em princípio teria dois mandatos, como acontece na grande maioria dos sistemas presidenciais. Estamos abertos à discussão. O essencial aqui é contribuir para diminuir a corrupção, o clientelismo e a permeabilidade dos poderes públicos. Optaríamos por uma limitação a dois mandatos, no máximo três, com cinco anos cada um.

A ideia obrigaria a uma revisão constitucional. Uma vez aberta essa porta, que outras mudanças introduziria?
Isso, para nós, não é problema porque, aberta essa porta, há muitas das nossas medidas que necessitam de revisão constitucional, como a redução do número de deputados da Assembleia da República para 100, a reintrodução da prisão perpétua para crimes mais graves, como homicídios qualificados e violações em série, a castração química dos pedófilos, a obrigatoriedade de trabalho no sistema prisional e o fim da progressividade do IRS. Defendemos uma taxa única de IRS.

Texto editado por Sónia Sapage

Leia aqui a explicação para outras ideias defendidas pelos pequenos partidos.