Estrangeiros investiram 3,4 mil milhões de euros no imobiliário português em 2018

INE divulga que 8,2% dos imóveis transaccionados em Portugal foram vendidos a não residentes. Chineses são os que pagam mais caro, franceses são os que compram mais

Foto
Nuno Ferreira Santos

Em 2018, foram transaccionados mais de 242 mil imóveis em Portugal, e destes 8,2% foram vendidos a não residentes. O Instituto Nacional de Estatística divulgou os dados sobre a aquisição de imóveis por não residentes durante o ano de 2018, permitindo perceber que o número de transacções efectuadas por estrangeiros corresponde a 13,0% do valor total movimentado. São dados que revelam que houve um reforço do peso dos investidores estrangeiros no mercado imobiliário português, já que em 2017 estes pesavam 7,7% no número de imóveis transaccionados e 11,5% nos valores envolvidos.

De acordo com o INE durante o ano de 2018 foram vendidas 19.912 imóveis a não residentes em Portugal, que investiram 3,4 mil milhões de euros em 2018 e foi nas áreas do Algarve e da Área metropolitana de Lisboa que houve maiores registos. No caso do Algarve a liderança foi assumida pelo numero de transacções (5700 imóveis vendidos) e na Área metropolitana de Lisboa registou-se o maior volume de transacções: os estrangeiros investiram, 1347 milhões de euros na aquisição de 4178 imóveis.

Tal como nos últimos dois anos, foram os residentes em França que mais imóveis adquiriram em Portugal (19,7% do valor total), seguidos pelos residentes no Reino Unido (16,9%). 

É ainda de destacar o elevado valor mediano (297,2 mil euros) dos imóveis vendidos a residentes na China, quase seis vezes superior ao conjunto do mercado (53 mil euros). Os chineses só assinaram 5,1% das transacções de imóveis a estrangeiros mas foram sem dúvida os que mais investiram em termos per capita.

O INE recorda que foi essencialmente a partir de 2013 que o número e o valor dos imóveis adquiridos por não residentes com valor igual ou superior a 500 mil euros mais cresceram em Portugal, “mais que duplicando em número e quase duplicando em valor face a 2012”. Isto porque foi nesse ano de 2013 que se iniciaram em termos efectivos, as “Autorizações de Residência em Portugal para Actividades de Investimento - ARI”, vulgarmente designadas como “vistos gold”. Os preços baixos do imobiliário face a outras capitais europeias e outras zonas do mediterrâneo também justificam o interesse por parte dos investidores estrangeiros. 

Sugerir correcção