Opinião

Inovação em saúde

Todas estas inovações garantem a minimização do impacto dos procedimentos cirúrgicos, garantindo que na ausência de complicações o doente está internado o mínimo de tempo possível, reduzindo assim a morbilidade e complicações pós-cirúrgicas.

No nosso dia-a-dia, quando pensamos em inovação, fantasiamos sempre sobre cenários de ficção científica, com muitas luzes a piscar, e não é impossível, em meio hospitalar, encontrarmo-nos algumas vezes num enquadramento desse tipo. No entanto as grandes inovações passam-nos muitas vezes despercebidas.

Actualmente, quando queremos marcar um acto clínico, já o fazemos algumas vezes em plataformas no nosso smartphone pessoal, que nos ajudam a escolher o médico, o dia, o local e a hora, e nos lembram da consulta, o que é uma grande ajuda e inovação relativa ao passado recente.

Já na consulta, e como médico, tenho a possibilidade de ter toda a informação integrada num processo clínico electrónico robusto, que não se perde e tem backups assegurados, o que me permite em cada momento tomar as melhores decisões, possibilitando igualmente a interacção com os colegas de outras especialidades, e muitas vezes com hospitais da mesma rede.

Esta riqueza de informação clínica assegura uma abordagem global do estado de saúde do nosso doente, com todas as vantagens em segurança que daí decorrem.

Tenho igualmente a possibilidade, no momento, durante a consulta, de solicitar exames complementares, cuja informação posso, desde logo, consultar no meu computador — o que melhora significativamente a certeza no diagnóstico, podendo muitas vezes nesses exames beneficiar ainda da ajuda da Inteligência Artificial na análise dos resultados, o que é verdadeiramente espantoso.

Ao propor um tratamento cirúrgico, posso disponibilizar as técnicas mais recentes, minimamente invasivas, utilizando o laser ou a cirurgia robótica, sempre com sistemas de suporte de vida que usam algoritmos integrados, para garantir a maior segurança.

Os fármacos actualmente utilizados — antes, durante e após a cirurgia —, permitem cada vez mais uma acção terapêutica mais efectiva e robusta, tendo ainda menos efeitos secundários, garantindo cada vez mais a ausência de dor ou incómodo associados ao acto clínico.

Quando preciso de partilhar um exame com um colega durante a cirurgia, posso fazê-lo por telemedicina, ou ainda, em tempo real, partilhar a imagem do procedimento cirúrgico enquanto ele decorre, podendo colher uma opinião que melhore o resultado final.

Todas estas inovações garantem a minimização do impacto dos procedimentos cirúrgicos, garantindo que na ausência de complicações o doente está internado o mínimo de tempo possível, reduzindo assim a morbilidade e complicações pós-cirúrgicas.

Na minha área específica, a oftalmologia, e de forma rotineira, um paciente demora habitualmente 15 a 20 minutos para ser intervencionado a uma catarata, apenas com anestesia tópica (gotas de anestésico) podendo regressar a casa imediatamente, estando já muito recuperado no dia a seguir.

Quem acreditaria nisto há uns anos?

As novas lentes que actualmente se implantam permitem, em casos clínicos adequados, uma grande independência dos óculos de ver ao perto, assegurando igualmente a correcção do astigmatismo quando necessário.

E os dados obtidos de todos os procedimentos realizados, são tratados a nível global (meta data), para se procurar sempre aperfeiçoar a técnica, numa procura constante pela excelência.

Verdadeiramente espantoso!

No entanto, há algo de muito inovador que todos individualmente devemos fazer, e que consiste em nos transformarmos em parceiros atentos, dedicados e activos na promoção da nossa saúde, com estilos de vida saudáveis, praticando a medicina preventiva e realizando exames médicos regulares. E essa não é uma inovação, mas sim, verdadeiramente, uma revolução que temos de abraçar, como projecto individual e colectivo de uma sociedade mais saudável, em que a inovação vai também dar a sua ajuda.

A inovação em saúde é assim não uma esperança, mas um desígnio e um objectivo, pelo que todos vamos seguramente percorrer esse caminho.