Pedaço da história dos judeus no Porto em risco? Autarquia e Direcção de Cultura dizem estar atentas

Casa na Rua da Vitória era paragem obrigatória nos percursos de Germano Silva quando contava a história dos judeus na cidade. Interior foi demolido, partes do exterior também. Arquitecto que vendeu o edifício fala em “danos patrimoniais”. E lamenta “feridas” crescentes no centro histórico do Porto

Foto
Obras estão a decorrer no número 233 da Rua da Vitória Nelson Garrido

Quando contava a história dos judeus no Porto, nas suas caminhadas pela cidade, Germano Silva parava sempre ali. O número 233 da Rua da Vitória não era dono de fachada vistosa e poderia até passar despercebido. Mas o historiador portuense sabia bem da importância dela. “A cruz gravada na porta era uma marca de que ali já não viviam judeus, mas sim cristãos”, disse ao PÚBLICO. “Era uma paragem obrigatória nos percursos dos judeus no Porto.”

O pretérito da frase é espelho dos trabalhos no local nos últimos dias, narrativa que chegou também aos ouvidos de Germano Silva. Vendida em 2018, a casa está neste momento a ser demolida. O interior já desapareceu, partes do exterior também já foram alteradas. Uma vedação colocada na rua não deixa perceber se a cruz, elemento patrimonial mais significativo, foi ou não apagada. Mas o alerta soou e levou mesmo a uma reunião na Câmara do Porto, com serviços de urbanismo e a Direcção Regional de Cultura do Norte a debater como preservar aquele património. Ou pelo menos minimizar danos.

PÚBLICO -
Foto
A casa não tem classificação, mas está integrada na zona especial de protecção do Centro Histórico do Porto Nelson Garrido

A casa não tem classificação, mas está integrada na zona especial de protecção do Centro Histórico do Porto, património mundial da UNESCO. E isso é, por si só, um estatuto. “Não estava classificada, mas tinha um interesse patrimonial inquestionável”, defende Germano Silva. “É uma pena se se perder porque é uma referência para a história dos judeus no Porto.”

A Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) confirma ter emitido um parecer “positivo” para a obra em causa. “De acordo com o projecto submetido, a fachada será preservada, não havendo lugar a qualquer demolição”, informa o gabinete de comunicação da DRCN, garantindo que “irá acompanhar a obra, enquanto decorrerem as escavações arqueológicas no local”.

Assim o certifica também a Câmara do Porto, informando que a “a obra em curso está licenciada” e as “questões patrimoniais foram devidamente acauteladas por parte das entidades competentes”, com “pareceres” da “Direcção Geral do Património Cultural e da Divisão Municipal de Património Cultural/ Arqueologia”. Também a divisão municipal de património cultural/ arqueologia e os serviços de fiscalização estarão atentos à empreitada, garante o gabinete de comunicação. 

Paulo Freitas, ex-morador do 233 da Rua da Vitória e arquitecto com experiência na área do património, não está tão seguro. Quando vendeu a casa tinha informação de que ali seria construído um hotel e já imaginava que o interior fosse demolido. Mas ver as “fachadas destruídas” – a da Rua da Vitória de forma parcial e uma outra, interior, voltada para o Largo de São Domingos, já totalmente – foi uma surpresa. “Não sei a extensão dos danos patrimoniais, mas algo já se perdeu. Nunca me passou pela cabeça que fosse possível”, diz. Não por a moradia ser guardiã de “grandes elementos arquitectónicos” - embora a recuperação feita pelo seu atelier um prémio internacional e honras de exposição inaugural da Casa da Arquitectura. Mas pelo simbolismo ali guardado.

PÚBLICO -
Foto
Na porta da casa estava desenhada uma cruz, símbolo dos cristãos novos. Vedação da obra não deixa perceber se a demolição parcial da fachada apagou a cruz Paulo Freitas/ DR

“Naquela zona descobriu-se muita coisa da judiaria. Se aquela casa não era a única era das únicas que tinha marcado na porta de entrada o símbolo dos cristãos novos”, comenta o arquitecto, atirando a “idade” da casa para “pelo menos 500 anos”.

Para Paulo Freitas “quase tudo é possível” num projecto de reabilitação, desde que um princípio guia se mantenha: “Respeitar o que existe e deixar para outra geração a possibilidade de voltar a recuperar o original.” E não é isso que tem visto.

No seu atelier vai crescendo um “reportório de fotografias” que são “feridas” da cidade. Sobretudo do centro histórico. “Talvez só um entendido veja determinados problemas, mas há coisas que estão a ser feitas e não fazem parte da construção do Porto.” O arquitecto aponta para um problema de origem a causar males mais tardios: os projectos são “mal instruídos na fase de licenciamento”. E exemplifica: “Quando entra um projecto para um hotel não se sabe onde vão ficar as infra-estruturas, os ar-condicionados…”

PÚBLICO -
Foto
Arquitecto que morou na casa foi surpreendido com a demolição e não dúvida de que já houve danos patrimoniais Paulo Freitas/ DR

Para evitar surpresas, defende, é preciso “criar regras mais rígidas” a nível de património e haver “mais rigor” na apreciação. E a autarquia pode também ter uma palavra a dizer: “Faz falta um plano pormenor para todo o centro que determine normas mais específicas, como acontece, por exemplo, no centro de Guimarães.” E ainda “mais fiscalização” e “atenção” dos arquitectos.

A perspectiva do ex-morador do centro nada tem a ver com uma gentrificação forçada. Paulo Freitas vendeu a casa por opção, fez um bom negócio e lembra-se bem do centro do Porto “sujo e sem gente” de há 15 anos, quando para lá foi morar. Não o queria de volta. Há um papel para o turismo, defende, e reabilitar é preciso. “Só não pode ser de qualquer maneira.”