Queda de elevador provoca um morto em edifício do BPI em Lisboa

O acidente ocorreu no edifício dos serviços centrais do banco BPI, na Avenida Casal Ribeiro, em Lisboa.

Foto
Francisco Romão Pereira/PÚBLICO

Um elevador caiu 21 andares esta sexta-feira no edifício dos serviços centrais do banco BPI, na Avenida Casal Ribeiro, em Lisboa, provocando um morto.

A vítima mortal é um homem, técnico de manutenção, com 43 anos e 20 anos de serviço, disse aos jornalistas no local António Almeida, dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. 

O óbito foi declarado no local pelo INEM. Para o local deslocaram-se 15 elementos dos bombeiros, apoiados por quatro viaturas, uma viatura do INEM e elementos da Polícia Judiciária.

O alerta para o acidente foi dado cerca das 12h40. O elevador caiu 21 andares, do 17.º até ao -4.º, num total de 60 metros. As causas da queda do elevador, que era novo, ainda não foram apuradas. Um funcionário que se encontrava no local está a receber assistência psicológica.

O elevador estava a ser substituído por uma empresa subcontratada pela fabricante Schindler e encontrava-se fora de serviço, sublinhou ao PÚBLICO fonte do BPI.

PÚBLICO -
Foto
Francisco Romão Pereira/PÚBLICO

O BPI remete justificações para a Schindler, a empresa responsável pela substituição do elevador. Em comunicado, a empresa confirmou o acidente ocorrido “durante trabalhos de modernização de um elevador na Avenida Casal Ribeiro”, lamentando a morte “de um colaborador de uma empresa subcontratada”.

“As nossas primeiras palavras vão para a família da vítima, à qual será prestado todo o apoio necessário, bem como ao colega da vítima que com ela se encontrava no local, que está a receber apoio psicológico”, pode ler-se na mesma nota.

De acordo com a empresa, “ainda não é possível apurar as causas do acidente”, mas a mesma adianta que se encontra a “colaborar estreitamente” com as autoridades, no sentido de “esclarecer rigorosamente” o sucedido.

O edifício permanece aberto, com os outros elevadores em funcionamento normal.

Texto editado por Pedro Rios