Portugal tem das mais baixas taxas de mortalidade do mundo em crianças até aos cinco anos

Em 2017, o país registou três mortes de crianças até aos cinco anos de idade por cada mil nascimentos, adianta a UNICEF.

De 12 mortes por cada mil nascimentos em 1990, Portugal passou para apenas três, em 2017
Foto
De 12 mortes por cada mil nascimentos em 1990, Portugal passou para apenas três, em 2017 Nelson Garrido (arquivo)

Portugal continua a ter das mais baixas taxas de mortalidade de crianças até aos cinco anos, com três mortes em cada mil nascimentos em 2017, contra 12 em 1990, segundo estimativas da OMS e da UNICEF divulgadas esta quinta-feira. 

Os dados fazem parte das novas estimativas para a mortalidade infantil e materna do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), que revelam que cada vez sobrevivem mais mulheres e recém-nascidos, mas ainda morrem no mundo uma grávida ou um recém-nascido a cada 11 segundos, a maioria por causas evitáveis.

Segundo o relatório Níveis e Tendências na Mortalidade Infantil 2018, Portugal registava, em 1990, 12 mortes de crianças menores de cinco, número que caiu para as três mortes em 2017, o que coloca Portugal entre os 30 países do mundo com melhores taxa de mortalidade neste indicador, num total de 172 países analisados.

O Japão e a Islândia são os países que apresentam a mais baixa taxa de mortalidade, com duas crianças mortas antes dos cinco anos por mil nascimentos.

Do lado oposto, encontram-se a Libéria com 174 mortes de menores de cinco anos por mil nascimentos, Moçambique (159) e Serra Leoa (155), adiantam os dados hoje divulgados.

A taxa de mortalidade neonatal em Portugal também registou uma descida, passando de sete mortos por cada mil nados-vivos em 1990 para dois mortos por cada mil nados-vivos em 2017, número que coloca Portugal entre os melhores países do mundo neste indicador.

O Japão, a Estónia, Andorra, Islândia, Eslovénia, Singapura e San Marino são os países que apresentam o melhor resultado neste indicador com um morto por cada mil nados-vivos em 2011, em oposição ao Paquistão com 44 mortos por cada mil nados-vivos.

Segundo o relatório, desde o ano 2000, a morte de crianças recém-nascidas desceu quase para metade, enquanto a das grávidas foi reduzida em mais de um terço, devido maioritariamente a melhorias no acesso a serviços de saúde de qualidade a preços acessíveis.