As legislativas também chegam aos mais novos no Teatro LU.CA, em Lisboa

A nova temporada no único teatro municipal com uma programação exclusivamente dedicada a crianças e jovens começa sob o tema das eleições legislativas com leituras encenadas e música.

Susana Menezes, directora artística do LU.CA
Foto
Susana Menezes, directora artística do LU.CA rui gaudêncio

Um concerto, uma conferência e leituras encenadas fazem parte do Ciclo Eleições, que arranca este sábado, no LU.CA — Teatro Luís de Camões, em Lisboa, para “esclarecer e motivar o interesse” de crianças e jovens num assunto que “implica todos”. Este ciclo, que termina no dia das eleições legislativas, 6 de Outubro, marca o arranque da nova temporada do teatro da Calçada da Ajuda, que reabriu a 1 de Junho do ano passado, inserido no plano de reestruturação dos teatros municipais de Lisboa, tornando-se no primeiro teatro municipal em Portugal com uma programação exclusivamente dedicada a crianças e jovens.

O Ciclo Eleições do LU.CA procura, de acordo com a direcção daquele teatro, “esclarecer, motivar interesse e inventar zonas de conversa e discussão com o público mais jovem, sobre uma matéria que implica com todos”.

A programação começa com o Concerto pré-eleitoral Mais alto!, que irá juntar em palco, no sábado, às 18h, os músicos Francisca Cortesão (voz, guitarra, ukelele e banjo) e Sérgio Nascimento (bateria, percussão e voz) e a escritora Isabel Minhós Martins. 

A 27 e 28 de Setembro (o primeiro dia para escolas e o segundo para famílias), haverá uma “​Miniconferência sobre Democracia”, com o historiador e político Rui Tavares (cronista do PÚBLICO), fundador do Livre. Em época de eleições, “há assuntos incontornáveis, como, por exemplo, o que é a Democracia representativa, como funciona e o que ela representa no quadro da participação social sobre as decisões para um país”.

Nas sessões de leituras encenadas, a partir de livros da Biblioteca, que existe em permanência no entrepiso do LU.CA, o encenador e autor Miguel Fragata “leva para o palanque a sua relação de confiança e autoridade, de liberdade e disciplina, de obediência e retórica que tem com Vitória, a filha”. As sessões serão dedicadas aos livros É assim a ditadura, de Equipo Plantel e Mikel Casal, Como pode ser a Democracia, de Equipo Plantel e Marta Pina, e Daqui ninguém passa, de Isabel Minhós Martins e Bernardo P. Carvalho.

O ciclo inclui também, entre 25 e 29 de Setembro (com os três primeiros dias para escolas e os dois últimos para famílias) a oficina “É bom mandar?”, com concepção e orientação de Catarina Requeijo e Inês Barahona, “pensada para crianças que não têm direito a voto”, e, já no domingo, um “Baile de Discos Pedidos”.

As actividades são pagas, com o preço dos bilhetes a variarem entre um e três euros. A oficina exige inscrição prévia ([email protected]) e restantes informações sobre o Ciclo Eleições estão disponíveis em https://lucateatroluisdecamoes.pt/