Lucro da Benfica SAD sobe 43% e CGD deixa de patrocinar o Seixal

O banco público deixa o patrocínio do centro de estágios do clube “encarnado” após uma ligação de 13 anos.

Domingos Soares Oliveira (à esquerda)
Foto
Domingos Soares Oliveira (à esquerda) António Pedro Santos /Lusa

O resultado líquido da Benfica SAD ascendeu a 29,4 milhões de euros no exercício de 2018/19, um aumento homólogo de 42,8%, que não engloba a venda milionária do futebolista João Félix, revelaram nesta quarta-feira as “águias”.

O lucro obtido é o segundo maior da história da sociedade gestora do futebol profissional do Benfica, apenas superado pelos 44,5 milhões de euros registados em 2016/17, naquele que é o sexto ano consecutivo com resultados positivos.

Quanto ao resultado operacional, houve uma melhoria de 8,8%, para 35,3 milhões de euros, segundo os números disponibilizados na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

As receitas da Benfica SAD ascenderam a 263,3 milhões de euros, um novo máximo, e, em termos consolidados, o Grupo SLB ultrapassa pela primeira vez os 300 milhões de euros em receitas, beneficiando do aumento dos rendimentos oriundos da UEFA.

Nas contas apresentadas, entram as transferências de Raúl Jiménez, de Jovic e de Talisca, enquanto a venda de João Félix ao Atlético de Madrid por 126 milhões de euros neste Verão só vai ser contabilizada nos resultados do próximo exercício.

O activo cresceu 3,2%, para 500,8 milhões de euros, enquanto o passivo baixou 3,4%, para 384,6 milhões de euros. E o capital próprio subiu quase 34%, para 116,2 milhões de euros, superando pela primeira vez o capital social da Benfica SAD (115 milhões de euros), criada em 2000.

O fim do Caixa Futebol Campus

Domingos Soares de Oliveira, administrador executivo da SAD, revelou ainda que a​ Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai deixar de patrocinar o centro de estágio do Benfica no Seixal, ao fim de 13 anos. 

Com esta mudança, vai cair o nome Caixa Futebol Campus e, apesar de confirmar a intenção das “águias” de encontrarem um novo parceiro para patrocinar a academia do Seixal, Domingos Soares de Oliveira não espera novidades neste capítulo nos tempos mais próximos.

“Benfica Futebol Campus ou Benfica Campus, os dois nomes são possíveis de utilizar. É uma situação que, em princípio, creio que se vai manter assim durante o exercício 2019/20. Admito que possam haver alterações, mas não estamos a projectar nada de imediato”, avançou num encontro com jornalistas em Lisboa, para apresentação das contas anuais da sociedade.

Questionado sobre o “naming" do Estádio da Luz, o responsável disse que prosseguem as negociações, mas ainda não há novidades, até devido aos elevados montantes em jogo, os quais não quis adiantar.

“Continuamos a discutir a questão da venda do “naming” com mais do que uma entidade. As conversações são muito duras e prolongadas. A única coisa que vos posso dizer é que o debate mantém-se, a discussão mantém-se, estamos activos, os nossos parceiros também estão interessados, mas não tem sido possível chegar a um acordo”, rematou.

Sugerir correcção