Lusa
Foto
Lusa

Esta escola em Faro quer recuperar bicicletas para pôr os alunos a mexer

Desde Janeiro, a Escola Secundária Pinheiro e Rosa oferece lanche aos alunos que se deslocam para a escola de bicicleta. Agora, quer bicicletas usadas, peças e acessórios para os recuperar na oficina escolar.

A Escola Secundária Pinheiro e Rosa, em Faro, está à procura de bicicletas usadas, peças e acessórios para os recuperar na oficina escolar. A iniciativa está inserida no plano de acção do projecto Bike Me para este ano lectivo e vem na sequência do que “a escola tem vindo a fazer na mudança de paradigma na mobilidade”, afirmou à Lusa Francisco Soares, director do Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa.

“Bikes aos pedaços” é uma das linhas de um plano que incluiu a criação de uma oficina de reparação e manutenção e cujo primeiro conjunto de ferramentas foi oferecido pela Federação Portuguesa de Cicloturismo. Um dos objectivos desta recolha e recuperação é a disponibilização de bicicletas para a comunidade escolar e “pelas seis escolas do 1.º ciclo”. A escola tem já um historial de intervenção na área do ambiente e mobilidade e desde Janeiro de 2019 que convida os alunos a deslocarem-se de bicicleta, oferecendo um lanche extra, “com um sumo de laranja algarvia e uma sandes”.

A medida levou a que mais de 20 alunos optassem pelas duas rodas na deslocação entre a casa e a escola, como é o caso de Johnny Coelho, aluno do 12.º ano, que passou a demorar apenas “cinco minutos num trajecto que levava habitualmente 20 minutos a pé”, além de fazer “algum exercício logo de manhã”. Só os dias de chuva fazem com que o caminho volte a ser “feito a pé”.

A escola está envolvida em diversos projectos europeus levando os alunos a várias cidades que “têm a bicicleta como veículo de transporte de eleição”. Francisco Soares, mentor do projecto, sublinha que “Amesterdão era como Portugal já há 40 anos" e que “é preciso mudar as mentalidades”. O número de alunos que aderiu à iniciativa ainda “não é muito elevado”, refere Francisco Soares, em comparação com escolas finlandesas ou alemãs, onde é possível ver “várias dezenas de bicicletas” à porta da escola. Algo está a mudar, “mas ainda estamos no início”, afirma.

Os professores estão também a alterar os hábitos e, este ano, na reunião geral que juntou as nove escolas do agrupamento, houve “um número considerável de professores que foram de bicicleta”, afirma o responsável. António Caetano, professor de Matemática nesta escola, reactivou “um antigo hábito de juventude” e há 18 anos que percorre diariamente, em duas rodas, os 11 quilómetros que separam a sua casa, em Olhão, até à escola, em Faro. Com 66 anos, revela que a realidade de tráfego é bem diferente de outros tempos, mas, apesar de percorrer grande parte do caminho na EN 125, a sua maior preocupação é dentro da cidade, onde é “bem mais difícil circular”, alerta o professor.

Recorda que Faro já teve, “há uns 50 anos”, uma via reservada para bicicletas, na entrada da cidade — semelhante à que “pode ser encontrada em Beja” —, uma realidade que gostaria de ver implementada nos dias de hoje, mesmo que fosse “em faixas partilhadas por bicicletas e carros.” Também Johnny Coelho confessa “existir sempre algum perigo, por não haver ciclovias” afirmando que toma “especial cuidado” com os carros, principalmente de manhã”.

Francisco Soares participou na apresentação da Semana da Mobilidade em Faro, na segunda-feira, destacando que há medidas a serem tomadas pela autarquia, com a “construção de ciclovias e a redução de velocidade em alguns zonas da cidade, o que vem ajudar neste nosso caminho”.