Duas pessoas condenadas a prisão por roubo de bicicletas Gira

Houve três detidos por furto e danos nas bicicletas da rede partilhada de Lisboa, mas um deles não foi condenado por ser menor de idade.

Foto
SEBASTIÃO ALMEIDA

Três pessoas foram detidas há uma semana por furto de uso e danos nas bicicletas Gira (rede partilhada de bicicletas em Lisboa) e foram nesta terça-feira presentes a tribunal pelos crimes cometidos: um deles foi condenado a dois anos de prisão efectiva (porque já tinha cadastro criminal), outro foi condenado a um ano de pena suspensa e outro não foi condenado por ser menor de idade, adianta fonte oficial da EMEL ao PÚBLICO.

“É a primeira vez que isto acontece”, revela a fonte, dizendo que o vandalismo em torno destas bicicletas também é “relativamente recente”. 

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) é a entidade responsável pela gestão da rede Gira.

“Este é o resultado de um trabalho conjunto entre a EMEL e a PSP, que pretende acabar com actos de vandalismo, que causam danos consideráveis no património da cidade de Lisboa”, lê-se num comunicado da EMEL.

A rede de bicicletas Gira foi lançada em Setembro de 2017 e deveria ter já mais de 140 docas e de 1400 bicicletas, mas em Abril a EMEL dizia que dispunha “apenas de 92 estações”, das quais 18 não estavam em funcionamento — quer “por falta de bicicletas” quer “por falta de componentes”. No final de 2018, segundo dados da EMEL, havia 18.500 utilizadores com passes anuais. Depois da chegada das bicicletas Gira a Lisboa, o mercado lisboeta viu entrar também inúmeras empresas de trotinetes eléctricas e ainda uma rede de bicicletas partilhadas da Uber, sem docas.

O projecto das Gira, delineado em Junho de 2017, faz parte de “um repensar da mobilidade na cidade” e de uma tentativa de a tornar “mais sustentável, social, ambiental e economicamente”, diz a EMEL. O objectivo era sobretudo “mudar mentalidades e sensibilizar as pessoas para a necessidade de reduzir os 370 mil carros que todos os dias entram na capital”.