Energia solar: uma nova energia para o negócio

Produzir energia solar é uma forma cada vez mais competitiva de reduzir a fatura de electricidade.

Energia solar
Foto
Getty

pixel

Em 2050, a energia solar e a do vento serão responsáveis pela geração de 50% da electricidade no mundo, pondo termo ao domínio dos combustíveis fósseis no sector energético. A antevisão é da Bloomberg NEF (New Energy Finance) no relatório New Energy Outlook 2019, que prevê também que a energia solar assista ao maior crescimento: da geração de 2% da electricidade mundial actualmente para 22% em 2050. Em suma, os fundamentos do sistema eléctrico serão redesenhados pelo custo decrescente das baterias e da energia renovável, com destaque para a energia solar.

Esta mudança de paradigma já está em curso e corresponde a uma alteração do perfil dos consumidores de energia, que se tornam ‘prosumidores’ - consumidores e produtores. Isso mesmo demonstram os dados do relatório Distributed generation: a brighter future? (The Economist, 2018), para o qual foram inquiridos 450 executivos de empresas de diferentes sectores - indústria, transportes, turismo e retalho - no Reino Unido. Mais de um terço (35%) confirmaram que as suas empresas já produzem uma parte da energia que consomem e, destas, 6 em 10 empresas apostam na energia solar.

Solar: desafios e oportunidades

O impacto ambiental reduzido e a sustentabilidade associada à natureza renovável do sol são as vantagens-base da energia solar - em particular, na sua vertente fotovoltaica, que não requer água para gerar electricidade. Mas a competitividade do investimento em energia solar deve-se aos desenvolvimentos tecnológicos dos últimos anos. 

Segundo a Bloomberg, o preço das baterias caiu mais de 75% entre 2010 e 2018 (baterias de iões de lítio) e, em muitas zonas do mundo, já há paridade de preço entre formas tradicionais de geração e a energia solar. Ao permitirem armazenar a energia gerada, as baterias ajudam a superar a intermitência associada, por natureza, ao solar. O resultado é uma maior autonomia do sistema. Por outro lado, a era da IoT veio viabilizar sistemas inteligentes de gestão de consumos que permitem controlar, em tempo real, quanto se está a produzir, consumir e/ou a vender à rede.

PÚBLICO -
D.R.

Também tem sido ultrapassada a ideia de que as instalações solares requerem um uso intensivo de terrenos: a resposta passa pela fixação de sistemas fotovoltaicos a estruturas já existentes. Um estudo que recorreu a imagens de satélite (Renewable & Sustainable Energy Reviews, Elsevier, 2018) revelou que a área disponível nos telhados europeus - correspondente a 3 vezes o tamanho do Luxemburgo - é suficiente para satisfazer ¼ das necessidades energéticas do continente.

O caso português

O consumo eléctrico pode representar um custo relevante para as empresas. Ao optar por produzir a sua própria energia através de painéis solares, estas conseguem:

  • Reduzir a fatura de electricidade;
  • Aumentar a autonomia energética;
  • Produzir energia de origem renovável e limpa, contribuindo para a sustentabilidade do planeta e, ao mesmo tempo, tornando a sua empresa mais verde e eficiente. 

Neste contexto, e tendo em conta as abundantes horas de exposição solar de que beneficia, Portugal é considerado um dos países europeus com maior potencial para a energia solar. Não é por acaso que, também por cá, se vão somando casos que demonstram a atractividade da geração solar por e para as empresas, que têm recorrido aos comercializadores destas soluções, num mercado liderado pela EDP Comercial. A empresa conta com mais de 20 mil sistemas solares fotovoltaicos instalados em habitações e em empresas por todo o país, totalizando uma potência instalada de 40 MWp. Tendo em conta a experiência e soluções que oferece, a EDP Comercial torna-se o parceiro natural para o sector empresarial, ajudando as empresas neste percurso de sustentabilidade na produção energética. 

As soluções de Energia Solar EDP em autoconsumo permitem às empresas produzir e consumir a sua própria electricidade e, assim, reduzir a sua fatura.

Vantagens da solução de Autoconsumo da EDP Comercial

  • Serviço chave na mão com qualidade e fiabilidade ao longo do contrato;
  • Experiência e know-how de um parceiro que já instalou milhares de sistemas solares;
  • Acesso ao sistema de gestão de consumos, que permite acompanhar em tempo real os consumos da instalação da empresa. 

Os números mais recentes falam por si. Empresas de várias dimensões, assim como universidades e autarquias têm recorrido a estas soluções, adaptadas às suas necessidades e dimensões:

Sport Lisboa e Benfica

Instalou uma central fotovoltaica com 315kWp em regime de autoconsumo nas instalações do Caixa Futebol Campus. Cerca de 1.200 painéis proporcionam uma produção anual superior a 447MWh. A parceria com a EDP Comercial estender-se-á ao Estádio da Luz, através da implementação de outros serviços de eficiência energética.

Nova School of Business and Economics

A grande dimensão do campus da School of Business and Economics da Universidade Nova de Lisboa gera um elevado consumo energético. A parceria com a EDP Comercial permitiu instalar uma central fotovoltaica com 250kWp em regime de autoconsumo: são  cerca de 1000 painéis com uma potência de 270Wp.​

Grupo Ferpinta

Na unidade de produção em Carregosa, foi instalada uma central fotovoltaica para autoconsumo: 3543 painéis fotovoltaicos totalizam uma potência de 992 KWp. A produção de energia solar prevista é de 1.331 MWh/ano. ​

Câmara Municipal de Portimão

Nos próximo três anos, a EDP Comercial e a autarquia vão instalar 125 painéis fotovoltaicos nos Paços do Concelho e no Pavilhão Municipal. A iluminação pública vai ser melhorada através da colocação de luminárias LED no centro histórico da cidade.

Conheça aqui as soluções EDP Comercial.