No final do século, o Algarve terá menos 80% de água mas rega-se mais que nunca

O nordeste algarvio já vive momentos dramáticos. Cerca de três quilómetros da ribeira de Odeleite estão salinizados e as populações do interior de Castro Marim estão a ser abastecidas por auto-tanques. Os furos artesianos secaram.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Nas serras de Alcoutim e Castro Marim sente-se o cheiro da esteva a esturricar ao sol, lembrando o deserto ali tão perto... Não faltam sinais de alerta por toda esta zona do interior. A ribeira de Odeleite, afluente do rio Guadiana, encontra-se salinizada numa extensão de cerca de três quilómetros. A região caminha a passos largos para a pré-desertificação e a zona nordeste está na linha da frente. O Plano Intermunicipal para de Adaptação às Alterações Climáticas (PIAAC) prevê, no pior cenário, uma região praticamente desértica no final do século. A manter-se a curva decrescente da precipitação, destaca o estudo, as reservas hídricas sofrerão uma redução na ordem dos 83%.