Ringo Starr e Paul McCartney juntaram-se para gravar uma canção inacabada de John Lennon

Grow old with me foi composta no último ano de vida do ex-Beatle, que em Dezembro de 1980 foi assassinado à porta do seu apartamento em Manhattan. O tema integrará o próximo álbum a solo do baterista da banda de Liverpool, What’s My Name, cujo lançamento está agendado para Outubro.

,prêmio Grammy
Foto
Paul McCartney e Ringo Starr juntos em Los Angeles, em 2014 Mario Anzuoni/Reuters

Os dois derradeiros sobreviventes dos Beatles, Paul McCartney e Ringo Starr, voltaram a juntar-se, desta vez para gravar uma versão de uma canção inacabada de John LennonGrow with me foi composta durante as sessões de gravação do último álbum de Lennon, Double Fantasy (1980) – o ex-Beatle morreria menos de um mês depois do lançamento do disco, a 8 de Dezembro, assassinado por Mark Chapman à porta do seu apartamento em Manhattan, Nova Iorque –, e viria a ser incluída por Yoko Ono no álbum póstumo Milk and Honey, de 1984.

A gravação original da faixa, de que Ringo teve conhecimento através de Jack Douglas, o produtor de Double Fantasy, integrava um conjunto de demos de Lennon que ficou conhecido como The Bermuda Tapes. “Simplesmente adorei a canção. Cantei-a o melhor que pude; acho que me supero quando penso tão profundamente no John. Fiz o meu melhor. Fizemos o nosso melhor”, comentou o ex-baterista dos Beatles, citado pelo diário britânico The Guardian.

Grow with me integrará o próximo álbum a solo de Ringo Starr, o seu 20.º, What's My Name, cujo lançamento está agendado para 25 de Outubro. Tal como já acontecera no seu disco anterior, Give More Love (2017), Ringo convidou Paul McCartney a juntar-se-lhe no estúdio que montou em sua casa, mas agora com o objectivo declarado de reunir, na medida do possível, a histórica formação dos Beatles, que além dos dois músicos incluía ainda John Lennon (1940-1980) e George Harrison (1943-2001): “O Paul toca baixo e canta um pedacinho [da canção] comigo. O John está lá, num certo sentido. Eu estou lá. E os arranjos de cordas que o Jack propôs para esta faixa, se ouvirem bem, retomam uma linha do Here comes the sun [de George Harrison]. Portanto, somos nós os quatro.” E não, acrescentou o músico, de 79 anos, no comunicado divulgado esta sexta-feira, “isto não é um golpe publicitário": Grow with me é mesmo a sua declaração de amor a uma das bandas mais amadas de sempre, uma banda que ele esteve quase para não integrar e que nunca teria sido a mesma sem ele.