Crítica

Retrato em mosaicos

Peregrinação é sobretudo um magistral retrato do mundo e do seu autor. É um estranho objecto literário: não é um romance, nem um livro de viagens, nem de memórias, tão-pouco uma autobiografia.

Olivier Rolin passou em 2018 dois meses numa residência literária em Cascais, onde escreveu parte deste livro
Foto
Olivier Rolin passou em 2018 dois meses numa residência literária em Cascais, onde escreveu parte deste livro NUNO FERREIRA MONTEIRO/ARQUIVO

No final de 2018, o escritor francês Olivier Rolin (n. 1947), a convite da Fundação Dom Luís I, passou dois meses numa residência literária em Cascais. Foi lá que escreveu grande parte do livro agora traduzido — publicado ao mesmo tempo em França, pela editora Gallimard, com o título Extérieur Monde, acaba de ser incluído na lista final dos candidatos ao prémio Goncourt. O título Peregrinação foi escolhido pelo autor para a edição portuguesa.