Black Sheep: no vizinho americano só há vinhos portugueses

Provavelmente, o mais pequeno bar de vinhos de Lisboa. Na carta, só há vinhos de pequenos produtores de todo o país.

Foto
Pedro Fazeres

A vizinhança é um assunto sério. Uma pessoa muda de casa e reza a todos os santinhos para que os moradores do andar de cima não façam barulho até às tantas, que a vizinha da frente não empeste as escadas com cheiro a peixe frito e que até possa dispensar um bocadinho de sal num momento de maior aperto.

Com os bares sucede o mesmo. Os vizinhos podem ditar a sorte de um negócio. Até ver, Brian e Jennifer não se podem queixar da malta da porta ao lado. Pelo contrário, os elogios são tão espontâneos que por momentos se pode duvidar qual é afinal o estabelecimento deles.

Para que não restem dúvidas: é o Black Sheep, na lisboetíssima Praça das Flores, onde calha estar também a Cerveteca, bar de cervejas artesanais. “Fomos uns sortudos”, reconhece Brian Patterson. “Às vezes pode demorar muito a sermos aceites e nós tivemos a sorte de encontrar um sítio onde nos aceitaram imediatamente”, diz, referindo-se aos vizinhos, com quem partilha clientela desde Junho, data em que abriu este pequeníssimo bar de vinhos.

Foto
Pedro Fazeres

Fica literalmente na porta ao lado da Cerveteca e isso não foi por acaso. Brian e Jennifer, casal de norte-americanos a viver em Lisboa há uns dois anos, moram ali em São Bento e são frequentadores assíduos dos bares da zona. Quando decidiram montar um negócio próprio e lhes apareceu este pequeno espaço, antiga loja de conservas, ainda torceram o nariz. “Pensei que isto não servia, que era demasiado pequeno”, admite Brian. Jennifer, no entanto, não hesitou: “Não, não, não, vai ser perfeito!”

Com o balcão de madeira do lado direito e uns quantos bancos altos, lá dentro não cabe mais do que uma dúzia de pessoas. E isto já tendo em conta o lugar cativo ocupado por Bear, um cão grande que é a mascote da casa. “Num bar destes, tão pequeno, é impossível não falar com o vizinho do lado”, diz Brian. “Na maioria das noites as pessoas falam todas umas com as outras”, acrescenta ela.

Foto
Pedro Fazeres

Era precisamente isso que queriam porque foi isso que encontraram no bairro quando chegaram à cidade. “Não nos mudámos para aqui para nos darmos apenas com outros americanos ou falantes de inglês. Queríamos fazer parte da comunidade, do país”, assevera Jennifer. E Brian parece levar o desígnio muito a sério: “O meu professor de português diz que eu sei mais da História de Portugal do que ele”.

De vinhos portugueses, pelo menos, Brian tem a certeza de perceber. No Black Sheep há cerca de 120 referências, todas portuguesas, todas de pequenos produtores. Conhece uma grande parte deles pessoalmente e as suas vinhas, fruto de constantes visitas ao país nos últimos dez anos. A curiosidade nasceu-lhe há muito mais tempo, na faculdade. “O meu colega de quarto era luso-americano. Comi a minha primeira carne de porco à alentejana com 18 anos”, recorda.

Quando as voltas da vida o levaram a ser vendedor de vinhos, Brian tentou que os néctares portugueses se tornassem mais conhecidos nos Estados Unidos, mas não teve grande sucesso. Agora tenta convencer os lisboetas (e turistas) a interessarem-se por uma parte da produção vínica nacional que ainda passa despercebida. “Uma das coisas boas de Portugal é o orgulho silencioso, a humildade. Os pequenos produtores portugueses têm um orgulho enorme no que fazem, mas não andam aí a gabar-se”, diz. “Ter uma vinha de família é um orgulho enorme, uma relação especial”, completa Jennifer.

Foto
Pedro Fazeres

“Os produtores fazem os seus vinhos porque acham que aquilo é o melhor, não porque alguém lhes disse o que era o melhor”, diz Brian. São como ovelhas negras que não vão em cantigas de outros e seguem obstinados o seu caminho. E aí (mas não só) radica o segredo para este bar se chamar como se chama.

Nas prateleiras do Black Sheep há garrafas para levar para casa (divididas entre preço abaixo dos 20 euros e acima), mas todas podem ser experimentadas a copo. Todas as semanas há 18 sugestões diferentes, entre brancos, tintos, verdes, rosé e laranja do Minho ao Algarve, Açores e Madeira (dos 3,5 aos 6 euros). Para os afoitos há também dois cocktails (o residente negroni e um que vai mudando semanalmente), rum e mezcal. Já para aconchegar o estômago há azeitonas, húmus, tábua de queijos e enchidos.

Diz Jennifer que ela e Brian procuraram criar um espaço “menos formal, com certo ar de bar americano”. E de facto há no Black Sheep algo que lembra aqueles dos filmes e das séries onde amigos e vizinhos se encontram ao fim do dia para um copo e dois dedos de conversa. Faz sentido: os clientes, aqui, arriscam-se ao mesmo.