Entrevista

“Depois do Mundial, tenho batido a portas e nada. Somos dependentes do Estado”

Luís Sénica, presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, fala das dificuldades em arranjar patrocínios para o hóquei em patins português.

Foto
Luís Sénica, presidente da Federação Portuguesa de Patinagem Daniel Rocha

Luís Sénica já fez quase tudo no hóquei em patins. Começou como jogador no clube da sua terra, o Sesimbra, e passou a treinador por vontade própria na viragem dos 30 anos. Depois, construiu uma segunda carreira, passando pela formação do Benfica e pelas selecções de Portugal, e conquistando um título europeu em 2016. No ano passado, com espírito de missão, aceitou começar uma terceira carreira, a de presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, cargo que ocupa desde Dezembro. Em conversa com o PÚBLICO, este sesimbrense de 55 anos fala das dificuldades que o hóquei português tem em assegurar financiamento apesar de ser o melhor do mundo, um estatuto confirmado há dois meses no Mundial em Barcelona, mas congratula-se com o pico que a modalidade atravessa e que espera que seja algo para durar. Mas como a patinagem não é só hóquei, a conversa também vai pelos sucessos da patinagem artística e da velocidade, e pelas esperanças portuguesas no skate, que se estreia como modalidade olímpica em Tóquio 2020.