Sobe para cinco o número de mortes causadas pelas chuvas torrenciais em Espanha

As chuvas torrenciais estão a afectar as regiões de Valência, Albacete, Alicante, e Múrcia, no Sul de Espanha. Pelo menos três das vítimas mortais ficaram presas nas viaturas em que seguiam.

,Aielo de Malferit
Fotogaleria
Inundações na província de Valência LUSA/Natxo Francés
,Clariano
Fotogaleria
Inundações na província de Valência LUSA/Natxo Francés
Fotogaleria
LUSA/Marcial Guillén
Fotogaleria
Estragos na província de Múrcia LUSA/Marcial Guillen
Gota fria
Fotogaleria
Estragos num edifício na província de Alicante LUSA/Marcial Guillen
Fotogaleria
Múrcia LUSA/Marcial Guillen
,Gota fria
Fotogaleria
Múrcia LUSA/Marcial Guillen
Orihuela
Fotogaleria
Estragos em dezenas de veículos na província de Alicante LUSA/MORELL

As chuvas torrenciais causadas por uma depressão de elevada intensidade que caem desde segunda-feira parte do sudeste de Espanha já provocaram cinco mortes. Na quinta-feira, a viatura em que seguiam dois irmãos de 61 e 51 anos foi arrastada pela força da água na cidade de Caudete (Albacete). Os dois homens não conseguiram sair da viatura e morreram.

Outro homem morreu em Almeria quando o veículo em que seguia ficou preso num túnel que inundou. A quarta morte aconteceu em Granada nesta sexta-feira: o corpo de um homem de 36 anos foi resgatado por um helicóptero da polícia espanhola depois da viatura em que seguia ter sido encontrada horas antes. A quinta morte foi também anunciada na noite desta sexta-feira: o corpo de um homem de 58 anos foi encontrado em Orihuela, na província de Alicante, depois de ter sido dado como desaparecido várias horas antes.

A chuva fez transbordar rios, provocando dezenas de desalojados e deixou um rasto de destruição em várias regiões do sudeste de Espanha, entre elas Valência, Múrcia, Alicante e Albacete. Esta sexta-feira, o chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, anunciou que irá visitar as áreas mais afectadas pela depressão.

A enchente no rio Clariano, em Ontinyent, uma das cidades da região de Valência mais afectada pela tempestade, fez com que pelo menos 40 pessoas tivessem de ser socorridas e outras 150 retiradas de suas casas. As inundações aconteceram depois de as chuvas atingirem os 280 litros por metro quadrado em apenas 24 horas, obrigando a polícia a bloquear acessos e a evacuar as casas mais próximas. Também na região de Castilla-La Mancha 13 pessoas tiveram que ser resgatadas – nove em Caudete e quatro em Almansa.

As ligações ferroviárias entre Cartagena, Murcia e Albacete foram suspensas devido a inundações em vários pontos das linhas. A circulação rodoviária também ficou condicionada em várias regiões. No total, relata o El País, existem cerca de 20 estradas regionais cortadas ao trânsito, além de inúmeras ruas e estradas de menor dimensão em grande parte dos municípios afectados. Em Cieza (Múrcia) e Blanca (Alicante) foi necessário retirar 90 pessoas das suas habitações. Além destes, outros municípios espanhóis já permitiram a criação de abrigos de emergência para acolher os desabrigados.

Em Caudete, o WhatsApp tornou-se o principal meio de comunicação para o exterior e entre vizinhos, numa cidade em que apenas um dos quatro acessos rodoviários se mantém aberto. “Estamos todos a aguardar para perceber o que aconteceu”, diz uma residente citada pelo El País. “Não estamos habituados a ouvir tantas sirenes da polícia, ambulâncias e bombeiros”, acrescenta.

Na província de Valência, dezenas de escolas fecharam portas e mandaram mais de 300 mil estudantes para casa devido à chuva forte e ao vento. Em Múrcia, o governo local declarou situação de emergência devido ao receio de o rio Segura transbordar. Uma barragem da região, que assegura os canais de transferência entre o Tejo e o rio Segura atingiu esta quinta-feira 98% da sua capacidade total.

Até às 17h de quinta-feira, os serviços de emergência tinham recebido 745 chamadas relacionadas com as fortes chuvas na região de Múrcia, a maioria pedindo informações sobre o ponto de situação. Os municípios estão a pedir aos locais que actuem com “bom senso” e “prudência”, uma vez que em algumas regiões “o pior ainda não passou”. O aviso vermelho da agência de meteorologia espanhola, está activado até às 6h desta sexta-feira, altura em que é esperado que transite para laranja.

A depressão estava a deslocar-se para o Sul de Alicante. Deverá chegar a Portugal este sábado, mas com menor intensidade.

Notícia actualizada às 22h50 de sexta-feira, dia 13 de Setembro, com novas informações sobre o número de mortes.