Republicanos vencem eleição especial na Carolina do Norte, mas a sua vantagem está em risco

Depois de uma primeira eleição marcada por fraude eleitoral, o candidato do Partido Republicano venceu a corrida para a Câmara dos Representantes por apenas dois pontos percentuais, num distrito onde os republicanos não perdem desde 1962.

Donald Trump esteve no último comício da campanha de Dan Bishop
Foto
Donald Trump esteve no último comício da campanha de Dan Bishop Reuters/KEVIN LAMARQUE

O Partido Republicano venceu uma importante eleição na terça-feira, no estado americano da Carolina do Norte, que se transformou num símbolo da batalha nacional entre o peso do eleitorado pró-Trump e a estratégia do Partido Democrata para vencer as presidenciais de 2020. Num distrito onde os republicanos não perdem uma eleição desde 1962, e onde Donald Trump bateu Hillary Clinton por 12 pontos percentuais há três anos, o candidato democrata ficou a apenas dois pontos do seu adversário.

A vitória do republicano Dan Bishop foi saudada pelo Presidente Trump, que publicou 11 mensagens de apoio ao candidato, na sua conta no Twitter, entre segunda e terça-feira.

“A CNN e a MSNBC estavam preparadas para comemorar uma grande vitória, até que o Dan Bishop venceu o Distrito 9 da Carolina do Norte. Agora mal vão ouvi-los falar sobre a eleição”, disse o Presidente norte-americano.

Pouco antes, Trump destacara o seu papel na campanha do candidato republicano: “Dan Bishop estava 17 pontos abaixo há três semanas. Ele pediu-me ajuda, em conjunto mudámos a sua estratégia, e acabou por fazer uma grande campanha.”

A importância desta eleição levou Trump e o vice-presidente, Mike Pence, a participarem em comícios no último dia da campanha, um em cada lado do distrito. E os analistas admitem que esse apoio foi fundamental. Muitos eleitores republicanos podem ter ficado entusiasmados com a presença dos dois líderes e decidiram, nas últimas horas da campanha, ir votar – e a afluência às urnas pode ser fundamental numa corrida tão disputada.

Para além da vitória no Distrito 9, o Partido Republicano venceu também uma outra eleição na Carolina do Norte, no Distrito 3. Mas, neste caso, o lugar do partido nunca esteve em causa – Greg Murphy venceu o seu adversário do Partido Democrata, Allen Thomas, com uma vantagem de 24 pontos percentuais. Esta eleição foi convocada após a morte do anterior congressista, Walter B. Jones Jr., em Fevereiro, ao fim de 24 anos no cargo.

Fraude e gerrymandering

Na terça-feira, os olhos dos responsáveis do Partido Democrata e do Partido Republicano estavam postos mais ao lado, no Distrito 9.

Em causa estava um lugar na Câmara dos Representantes dos EUA, que ficou vago após a anulação do resultado inicial por fraude eleitoral.

Em Novembro de 2018, o candidato do Partido Republicano, Mark Harris, venceu a eleição por apenas 905 votos em 282.000. Mas, em Fevereiro, a comissão de eleições local deu como provado que a campanha de Harris cometera fraude – nas zonas rurais, funcionários da campanha republicana foram às casas de eleitores afro-americanos idosos para manipularem os seus boletins de voto antecipado.

Para vencer no Distrito 9 da Carolina do Norte, o Partido Democrata tinha uma tarefa muito complicada. Para além das décadas de domínio republicano, e da vitória esmagadora de Donald Trump em 2016, a demarcação das fronteiras também favorecia o Partido Republicano até há pouco tempo – há três anos, um tribunal ordenou o redesenho do distrito, por entender que o anterior não representava de forma justa as minorias (uma prática conhecida nos EUA como gerrymandering).

Na terça-feira, quando o republicano Dan Bishop e o democrata Dan McCready foram disputar a eleição, os seus dois partidos (e organizações a eles associadas) tinham gasto quase 20 milhões de dólares na campanha – um sinal da sua importância para as narrativas que o Partido Republicano e o Partido Democrata querem impor para as eleições presidenciais de Novembro de 2020.

A vitória do candidato republicano dá mais uma oportunidade ao partido – e ao Presidente Trump – para dizerem que a ideia de uma vitória estrondosa do Partido Democrata em 2020 é pouco mais do que uma invenção dos media.

Mas os democratas também têm motivos para reforçarem as esperanças. O seu candidato perdeu num distrito historicamente republicano e em que a fraude eleitoral e a supressão do voto das minorias é uma realidade, mas ficou a apenas dois pontos percentuais e venceu nas áreas mais urbanas – um sinal de que é nessa divisão do eleitorado, entre o voto pró-Trump nas zonas rurais e pró-Partido Democrata nas cidades, que se vai jogar a eleição presidencial de 2020.